“Posso ir?” já não mostra só filas. Agora, app também diz se pode ir à praia

Agora, a aplicação que marcou a pandemia por mostrar se há ou não fila à porta do hipermercado mostra também como está a praia. Informação oficial é da APA e resulta de parceria com a Deco Proteste.

No início da pandemia, dedicava-se a informar sobre filas à porta do hipermercados. Agora, com a época balnear ao virar da esquina, a aplicação “Posso ir?” vai também dizer-lhe se é ou não prudente ir dar um mergulho à praia.

A terceira fase do desconfinamento começou esta semana e o calor convida a relaxar no areal. Mas o vírus ainda anda por aí e manter o distanciamento continua a ser a palavra de ordem. Por isso, aproveitando a tecnologia já criada para o retalho, a “Posso ir?” e a Deco Proteste juntaram-se para tentar promover “uma utilização em segurança” das praias portuguesas.

“No próximo dia 6 de junho, inicia-se a época balnear, este ano muito diferente”, começam por indicar em comunicado. Com efeito, reconhecendo que “é fundamental saber o estado de ocupação de cada praia” na hora de tomar a decisão sobre onde ir, a “Posso ir?” e a Deco Proteste “juntaram-se para dar essa informação aos consumidores”.

As duas organizações contaram também com a ajuda da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e, baseando-se na informação oficial sobre o “nível de ocupação das praias” fornecida “pelos concessionários”, a aplicação terá informação “fiável e validada” sobre a ocupação e ainda “o nível de qualidade da água das praias, o histórico de ocupação, a existência de bandeira azul e vigilância e as infraestruturas disponíveis”.

A aplicação “Posso ir?” nasceu no seio do grupo Tech4Covid, uma organização que junta empreendedores do setor da tecnologia em Portugal, que têm desenvolvido várias soluções tecnológicas de resposta a problemas causados pela pandemia. Inclusivamente, o grupo já foi dado como exemplo de dinamismo e de mobilização pela imprensa internacional.

A app foi agora alvo de uma evolução. Até aqui, disponibilizava apenas a informação com base no que era recolhido e reportado pelos próprios utilizadores (como funciona, por exemplo, a aplicação de apoio à condução Waze). “Para oferecer uma informação mais fiável e validada, o projeto conta agora com a participação dos próprios estabelecimentos. Os gestores dos espaços registam-se de forma gratuita e reportam regularmente o nível de ocupação e os horários de funcionamento”, lê-se no mesmo comunicado.

Nesta altura, poucos meses depois de ser anunciado, o projeto já recebeu financiamento e continua a crescer. “A app beneficia do financiamento da Fundação Gulbenkian e da Fundação EDP, garantindo, assim, a continuidade do projeto na mitigação dos efeitos do Covid-19″. O aplicativo pode ser descarregado aqui (iOS) ou aqui (Android).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Posso ir?” já não mostra só filas. Agora, app também diz se pode ir à praia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião