“Posso ir?” Esta app diz-lhe se há fila para ir às compras

Uma das últimas novidades da comunidade Tech4Covid19 é uma aplicação que usa a "sabedoria das multidões" para indicar se há fila nos hipermercados. Comunidade está a combater o vírus com software.

Com a pandemia do coronavírus a ganhar terreno em Portugal, a entrada nos hipermercados é feita a conta-gotas. Para melhorar a experiência de ir à loja, e no sentido de tentar evitar aglomerados de pessoas, nasceu a aplicação “Posso ir?”. Trata-se de uma plataforma para smartphone que diz se há ou não há fila para entrar num dado estabelecimento.

Esta é mais uma das soluções apresentadas pela comunidade Tech4Covid19, um grupo que conta já com milhares de empreendedores que se voluntariaram para combater a pandemia com recurso a software. “Esta aplicação usa sabedoria das multidões, o agregado de opiniões de um grupo, para obter resultados de boa precisão. Quanto mais contribuirmos, melhor a precisão”, lê-se no site do projeto.

Por outras palavras, os utilizadores da aplicação “Posso ir” são incentivados a marcar qual o tamanho da fila sempre que se deslocarem a um dado estabelecimento. Ao agregar toda a informação recolhida, a aplicação estima dessa forma o tamanho da fila e apresenta a recomendação. Já quem pretende deslocar-se a um estabelecimento pode tentar consultar o estado da fila na própria aplicação.

“São muitos os relatos de filas para que as pessoas possam comprar bens essenciais, devido às restrições de acesso aos estabelecimentos e por forma a manter o distanciamento social. Esta aplicação tenta resolver este problema fazendo com que os utilizadores evitem grandes filas e, consequentemente, contribuam para o seu aumento”, acrescentam os promotores, na mesma página.

A aplicação está disponível na App Store e na Play Store. Surge numa altura em que existem pelo menos 9.034 pessoas infetadas pelo novo coronavírus em Portugal e um total de 66.895 casos suspeitos. O Covid-19 matou 209 pessoas até à meia-noite desta quinta-feira e 68 pessoas são dadas como recuperadas da infeção.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Posso ir?” Esta app diz-lhe se há fila para ir às compras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião