Seria “inaudito” que país ajudasse a TAP e não fizesse o mesmo com a CP, diz ministro

  • Lusa
  • 3 Junho 2020

"Seria inaudito que o país fizesse um esforço tão grande para auxiliar a TAP e não fizesse para auxiliar a CP", disse o ministro das Infraestruturas, garantindo que a CP vai ter auxílio do Estado.

O ministro das Infraestruturas garantiu esta quarta-afeira que a CP vai ter auxílio de Estado, defendendo que seria “inaudito” que o país fizesse um esforço “brutal” para a ajudar a TAP e não fizesse o mesmo com a transportadora ferroviária.

Pedro Nuno Santos, que falava aos jornalistas durante uma viagem entre o Porto e a Régua numa das oito carruagens Schindler que neste momento já se encontram ao serviço na Linha do Douro, sublinhou que o serviço que a CP presta aos portugueses “é da máxima importância”, sendo “crítico” para o futuro e para o desenvolvimento do país.

“Seria inaudito que o país fizesse um esforço tão grande para auxiliar a TAP e não fizesse para auxiliar a CP e, portanto, a mim, enquanto ministro das Infraestruturas e da Habitação, nem sequer me passa pela cabeça que o Estado português que vai fazer um esforço brutal para auxiliar a sua companhia aérea não fizesse o mesmo com a CP“, afirmou, adiantando que a tutela está a trabalhar numa solução.

Questionado pelos jornalistas, o governante não adiantou, contudo, o modelo encontrado para ajudar a CP, que acumula perdas mensais na ordem dos 20 milhões de euros.

“A solução em concreto, nós estamos a trabalhar nela, o que estou a dizer é que obviamente nós não vamos deixar a CP mal. A CP está a perder 20 milhões de euros por mês e, portanto, é uma empresa que precisa de auxílio de Estado, e esse auxílio de Estado vai acontecer”, disse.

Segundo o ministro das Infraestruturas, a empresa tem um nível dívida muito elevado e precisa de ser “saneada”, sendo essa “uma das premissas do próprio contrato de serviço público”.

“Nós teremos de resolver isso. Seja qualquer for a forma, a CP vai ficar com contrato de serviço público e com o seu balanço equilibrado. Portanto, vamos esperar algum tempo, conhecerão a solução concreta no momento certo, mesmo que no curto prazo nós precisemos de recorrer a uma solução de empréstimo”, admitiu.

O governante sublinhou, no entanto, que não é intenção do Governo “colocar mais dívida em cima da dívida que a CP já tem”, estando a trabalhar em soluções para resolver o problema.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Seria “inaudito” que país ajudasse a TAP e não fizesse o mesmo com a CP, diz ministro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião