DGAL corrigiu prazo médio de pagamentos de mais uma autarquia. Ourique afinal paga em 32 dias e não 310

Ourique que ocupava o terceiro lugar do ranking dos municípios que mais tempo demoram a pagar aos fornecedores. Em vez de 310 dias, afinal a Câmara leva, em média 32 dias a saldar as dívidas de curto.

A Direção-Geral das Autarquias Locais (DGAL) corrigiu o prazo médio de pagamentos de mais uma autarquia. Desta vez, a correção chegou à Câmara Municipal de Ourique que ocupava o terceiro lugar do ranking dos municípios que mais tempo demoram a pagar aos fornecedores. Em vez de 310 dias, afinal a Câmara leva, em média 32 dias a saldar as dívidas de curto prazo.

Marcelo Guerreiro, o presidente da Câmara de Ourique, contou ao ECO que recebeu esta terça-feira uma nova ficha do município, onde a DGAL corrige o tempo que a autarquia leva a pagar aos seus fornecedores. Em causa está o acordo de regularização das dívidas junto da Águas do Alentejo por empréstimo contratado com o Banco Europeu de Investimento (BEI). Dívidas que continuavam a ser contabilizadas como sendo de curto prazo e não médio. Com a reclassificação agora feita, em vez de levar quase um ano a pagar, afinal as dívidas de curto prazo são saldadas num mês.

A autarquia de Lamego também já tinha sido alvo de uma correção semelhante em meados de maio. A dívida de 2,3 milhões de euros que o município tem junto da Águas do Porto, e que foi alvo de um “acordo de regularização celebrado em agosto de 2019, com a empresa Águas do Norte pelo período de 15 anos”, estava inscrita, por lapso, como dívida de curto, explicou ao ECO fonte oficial da autarquia. Um lapso identificado e corrigido.

Mas no caso de Ourique, Marcelo Guerreiro andava “a bater à porta de várias autoridades para encontrar uma solução para esse indicador”. Finalmente obteve reposta. “A DGAL explicou quais as reclassificações que deveríamos fazer depois da notícia publicada pelo ECO. Já tínhamos tentado várias vezes e não tínhamos conseguido”, sublinhou o edil.

Enquanto a Câmara de Lamego passou de um prazo médio de pagamento aos fornecedores de 409 dias para 157 dias. No caso de Ourique a correção é mais significativa porque, ao passar de 310 dias de demora a 31 de dezembro, para 32 dias, significa que a autarquia cumpre os 90 dias recomendados, para saldar dívidas aos fornecedores.

Ourique já foi dos municípios mais endividados, com 22 milhões de euros acumulados, mas agora a situação é bem mais desafogada com o desequilíbrio das contas a roçar os 4,5 milhões de euros, segundo Marcelo Guerreiro. “Hoje a situação está ultrapassada, já que com o acordo a dívida passou para a Caixa e para o BEI”, frisa o responsável.

Apesar destas revisões significativas, as alterações não terão reflexo, para já, no ranking global.

Estas mudanças apenas serão refletidas na próxima atualização em setembro. “Esta informação”, sobre o prazo médio de pagamentos registado por cada município, no final do quarto trimestre de 2019, “deverá ser atualizada em setembro (lista dos municípios com prazo médio de pagamentos superior a 90 dias), altura em que já deverá refletir a regularização das dívidas das autarquias e serviços municipalizados junto do Grupo Águas de Portugal, no âmbito da celebração de acordos de regularização de dívida com recurso a financiamento do Banco Europeu de Investimentos (BEI)”, explicou, ao ECO fonte oficial do Ministério Modernização do Estado e da Administração Pública, quando o ranking foi conhecido.

Assim, no quarto trimestre de 2019, em média, as autarquias levaram 28 dias a pagar aos seus fornecedores; três municípios pagaram a mais de 90 dias, 58 pagaram no espaço de uma semana (sete dias) e três pagaram a pronto: Ferreira do Zêzere, Azambuja e Sabrosa.

Ranking das autarquias que mais tempo levam a pagar a fornecedores:

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DGAL corrigiu prazo médio de pagamentos de mais uma autarquia. Ourique afinal paga em 32 dias e não 310

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião