Setor cultural empregava 160.600 pessoas em 2018 em Portugal

  • Lusa
  • 3 Junho 2020

Há dois anos, a Cultura em Portugal empregava 160.600 pessoas, das quais uma em cada quatro trabalhava por conta própria. Uma em cada cinco pessoas que trabalham na Cultura tem menos de 30 anos.

O setor cultural em Portugal empregava 160.600 pessoas, das quais uma em cada quatro trabalhava por conta própria, segundo os dados mais recentes, de 2018, divulgados esta quata-feira pelo Governo.

O Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais (GEPAC) divulgou hoje estatísticas sobre o emprego no setor cultural em Portugal, reportando-se a 2018 e incluindo dados comparativos no seio da União Europeia.

Segundo o GEPAC, em 2018 o setor cultural empregava 160.600 pessoas, o que representa 3,3% do total do emprego em Portugal.

Por comparação, dentro da União Europeia, segundo os dados hoje divulgados, Portugal é o quarto país com o menor peso de emprego cultural no total de emprego. Abaixo dos portugueses está a Roménia, a Bulgária e a Eslováquia.

No entanto, analisando o período entre 2013 e 2018, verifica-se que o número de trabalhadores portugueses na área cultural aumentou 23,8%, ou seja, em cinco anos mais 30,9 mil pessoas passaram a trabalhar em atividades culturais e criativas.

Num perfil geral sobre quem é o trabalhador do setor cultural em Portugal, resume-se: É “homem, detentor de um nível de ensino superior, em regime de trabalho por conta de outrem, desempenhando a sua atividade cultural a tempo completo e sendo esse o seu único emprego”.

Segundo os dados estatísticos, em Portugal uma em quatro pessoas trabalha em atividades culturais em regime por conta própria, de forma independente. “Esta proporção é significativamente superior à que se verifica para o total do emprego”.

No que toca a igualdade de género na representatividade no setor cultural, em Portugal em 2018 as mulheres representavam 43,6%.

No contexto da União Europeia, três países bálticos – Letónia, Lituânia e Estónia – registam as percentagens mais elevadas de emprego cultural feminino, superior a 50%.

Há ainda a salientar que em Portugal uma em cada cinco pessoas que trabalham na cultura tem menos de 30 anos.

De acordo com os critérios do Inquérito ao Emprego, do Instituto Nacional de Estatística, as profissões do setor cultural abrangem, por exemplo, a arquitetura, cinema, teatro, música, dança e outras artes de palco, atividades de rádio, televisão, edição de jornais, bibliotecas ou fabrico de instrumentos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Setor cultural empregava 160.600 pessoas em 2018 em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião