Garland consome apenas energia verde. Elimina papel e plástico e adquire frota ligeira elétrica

Centros logísticos contam com 638 painéis fotovoltaicos que permitem uma redução de 192,5 toneladas de emissões de CO2 por ano. Da energia à mobilidade elétrica o grupo está também a renovar a frota.

O Grupo Garland, empresa de transportes, logística e navegação, tem vindo desde 2012 a implementar um conjunto de medidas para reduzir a sua pegada ambiental. Já investiu 24 milhões de euros na construção e renovação dos seus centros logísticos, localizados em Cascais, Aveiro, Gaia e Maia, que hoje ocupam no total mais de 85 mil metros quadrados.

“Temos noção do impacto ambiental da atividade logística em todo o mundo. Sendo as operações de transporte e de logística essenciais, como o cenário de pandemia o tem até revelado ao cidadão comum, é essencial que tentemos reduzir o impacto ambiental das nossas operações. A Garland já investiu milhões de euros neste processo, consciente que todos temos um papel a desempenhar no combate às alterações climáticas que nos afetam a todos”, afirma Peter Dawson, presidente do conselho de administração da Garland, em comunicado.

Em todos os centros logísticos, foram usadas soluções de construção, materiais e equipamentos para melhorar a eficiência energética. Em três deles (dois na Maia e um em Cascais) estão instalados um total de 638 painéis solares, com 175,1 KW de capacidade instalada. Com uma produção anual de cerca de 275.000 KWh, os sistemas permitem a redução de 192,5 toneladas de emissões de CO2 por ano.

Estes sistemas de autoconsumo representam um investimento de 195 mil euros foram dimensionados para colmatar 20% das necessidades de energia destes centros logísticos e otimizados para aproveitar eficientemente a energia produzida.

Toda a energia que o Garland Logística utiliza nos seus centros logísticos é proveniente de fontes 100% renováveis, possuindo, desde 2018, o certificado “Energia Verde – Classe A”, atribuída pela Axpo Iberia, entidade que disponibiliza serviços energéticos customizados para grandes, pequenas e médias empresas, e pela Associação Espanhola de Normalização e Certificação.

Rumo à mobilidade elétrica

A estratégia do grupo “Rumo à Sustentabilidade” chega também à mobilidade: a Garland está a arrancar com a renovação da sua frota de cerca de 70 viaturas ligeiras, promovendo a sua substituição por veículos elétricos e híbridos. O objetivo é que esta renovação fique completa durante este ano.

Atualmente, as instalações da empresa em Cascais e na Maia já contam com postos de carregamento elétrico e o plano é expandir estes equipamentos às restantes instalações da Garland para serem utilizados por todos os colaboradores com viaturas elétricas da empresa ou próprias.

Da energia verde à redução de papel e plástico

Nos últimos dois anos, o Grupo Garland reforçou algumas medidas com vista à redução do seu impacto ambiental. Começou pela erradicação de plásticos de uso único em máquinas de vending e no abastecimento de água e cafés aos colaboradores, aos quais distribuiu garrafas e copos reutilizáveis.

Do plástico à redução do papel, o ano passado foi implementado um sistema informatizado de gestão documental que, “até fevereiro deste ano, permitiu a diminuição de mais de 960 resmas de papel, o equivalente a 2,4 toneladas de papel. A empresa estima que a poupança anual de papel seja de três toneladas”, destaca o grupo em comunicado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Garland consome apenas energia verde. Elimina papel e plástico e adquire frota ligeira elétrica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião