Garrafas reutilizáveis Eco querem poupar 250 toneladas de plástico até ao fim de 2020

"Temos um objetivo ambicioso de chegar ao final do ano com 500 estações dispensadoras instaladas no retalho nacional e internacional", diz a empresa.

As garrafas reutilizáveis e “amigas do ambiente” Eco, que desde 2018 podem ser reenchidas com água filtrada nos supermercados Pingo Doce, espera, até final do ano de 2020, só em Portugal, ultrapassar as 250 toneladas de plástico poupadas. Para isso, e nesta nova fase de desconfinamento, as duas marcas uniram-se para oferecer gratuitamente a água a todos os clientes que até ao final do mês de maio façam o reenchimento das suas garrafas de três litros, bastando para isso que o cliente se dirija a uma das 137 lojas Pingo Doce onde se encontram as Estações Eco.

Cada garrafa de três litros custa 1€ e o reenchimento tem o valor unitário de 0,18€ por garrafa. A água fornecida nas estações dispensadoras provém da da rede pública e é sujeita ao processo de filtragem ECO, “garantindo ao consumidor uma forma sustentável de consumir água de excelente qualidade”.

Em 2019, a água ECO proporcionou uma redução de consumo de plástico de mais de 100 toneladas. Além de querer crescer em Portugal, o plano de expansão da marca passa também pela internacionalização. A ECO está em negociações com alguns dos maiores retalhistas europeus. “Temos um objetivo ambicioso de chegar ao final do ano com 500 estações dispensadoras instaladas no retalho nacional e internacional“, frisou a empresa em comunicado.

Aquando do lançamento, em setembro de 2018, a Eco anunciou um investimento de cinco milhões de euros para criar 500 estações de fornecimento de água filtrada em sistemas self-service.

Para André Paiva, partner da ECO, “sendo a água ECO a única no mercado de retalho que permite a reutilização da mesma garrafa, queríamos nesta fase ajudar os nossos clientes habituais bem como incentivar a adesão de novos consumidores, que sabemos que têm no seu processo de aquisição de bens alimentares e bebidas uma consciência ambiental que seja simultaneamente competitiva. Essas duas componentes serão elas também o “novo normal” no consumo das famílias portuguesas como indicam todos os estudos de mercado. É de salientar que as nossas estações ECO já permitiram poupar mais de 120 toneladas de plástico descartável nas lojas Pingo Doce”.

As garrafas ECO foram especialmente desenvolvidas para serem reutilizáveis, contribuindo assim para a diminuição dos resíduos não biodegradáveis. Exclusiva para reabastecimento nas Estações ECO, é feita de plástico (PET) resistente, livre de bisfenol A (BPA), um composto orgânico sintético,
e com filtro UV que protege da luz e mantém todas as propriedades da água. A principal característica diferenciadora da garrafa ECO é permitir a criação de uma nova forma de consumo mais sustentável de água e permitindo que o consumidor possa desenvolver/aumentar hábitos de reutilização, reduzindo assim de forma significativa os resíduos não biodegradáveis.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Garrafas reutilizáveis Eco querem poupar 250 toneladas de plástico até ao fim de 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião