Novo Banco perto de pedir nova injeção ao Fundo de Resolução

  • ECO
  • 8 Junho 2020

Banco pode recorrer ao dinheiro do mecanismo de capital contingente quando o rácio de capital baixa do 12%. Fechou o primeiro trimestre nos 12,3%.

O Novo Banco está a sentir os efeitos da pandemia nas contas. Apresentou prejuízos de 180 milhões de euros nos primeiros três meses do ano, um resultado que fez mossa nos rácios das instituição, deixando-os perto do limite que lhe permite ativar o mecanismo de capital contingente, revela o Jornal de Negócios (link indisponível).

A 31 de março de 2020, o “rácio provisório CET1 foi de 12,3% e o rácio provisório de solvabilidade total de 13,8%, valores que representam uma redução face aos apurados no final de 2019 devido principalmente à diminuição dos capitais próprios (resultados do período e outro rendimento integral) impactados no período pelos efeitos decorrentes da pandemia Covid-19”, diz o banco.

Apesar da quebra, lembra que “continua com o seu rácio CET1 protegido, tendo este nível de proteção sido fixado em 12% a partir de janeiro de 2020”. Apesar disso, não será necessária já uma nova injeção do Fundo de Resolução. Só no final do ano. Do montante total do mecanismo, o Novo Banco pode utilizar ainda cerca de 900 milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Novo Banco perto de pedir nova injeção ao Fundo de Resolução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião