Novo Banco regista prejuízos de 180 milhões no primeiro trimestre

O Novo Banco duplicou os prejuízos para 179,1 milhões de euros no primeiro trimestre do ano. A crise do coronavírus obrigou o banco a constituir provisões de 70 milhões.

O Novo Banco registou um resultado líquido negativo de 179,1 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, praticamente o dobro dos prejuízos que tinha registado há um ano. A crise do coronavírus obrigou o banco a constituir provisões de 70 milhões de euros. Isso ajuda a explicar o mau desempenho no arranque de 2020.

O banco liderado por António Ramalho explica que a pandemia levou a um abrandamento do negócio bancário e a maior volatilidade nos mercados.

Como consequência disso, o Novo Banco viu o custo do risco agravar, tendo reforçado as imparidades para o malparado em 69,7 milhões de euros. “É esperado que o nível de provisionamento se mantenha elevado nos próximos trimestres”, alerta a instituição financeira em comunicado.

O reforço das provisões não é caso único no Novo Banco. Os outros grandes bancos portugueses também já registaram provisões de mais de 200 milhões por causa da crise do Covid-19.

O Novo Banco diz ainda que por causa da turbulência das bolsas registou prejuízos em operações de cobertura de dívida pública no valor de 58,6 milhões de euros, “resultado da estratégia de geração de margem financeira”. E também observou uma desvalorização da carteira de obrigações mensurada ao valor de mercado, com os ganhos não realizados a diminuírem 61 milhões de euros.

“O processo de reestruturação que temos estado a realizar de forma decidida e com sucesso, ainda que não esteja terminado, permitiu que o Novo Banco nesta crise tenha provado ser um instrumento decisivo e único no apoio às empresas e famílias portuguesas e à economia nacional”, considera António Ramalho.

Bem capitalizado e com liquidez

Apesar dos prejuízos, o banco assegura que “está bem capitalizado e apresenta sólidos níveis de liquidez, estando bem posicionado para dar suporte aos clientes de retalho e empresas” na crise.

A 31 de março de 2020, o rácio provisório CET1 é de 12,3% e o rácio provisório de solvabilidade total de 13,8%, “valores que representam uma redução face aos apurados no final de 2019 devido principalmente à diminuição dos capitais próprios impactados no período pelos efeitos decorrentes da pandemia Covid-19”, explica o Novo Banco.

Ao nível operacional, o banco também sentiu o impacto do vírus. Apesar do aumento da margem financeira em 10% para 137,4 milhões de euros, o produto bancário caiu para metade, totalizando os 116 milhões de euros devido às perdas já citadas com a dívida pública.

Perante os custos de operação de 115,8 milhões, o resultado operacional caiu 99% para apenas 600 mil euros.

Crédito desce, depósitos aumentam

Do lado do balanço, o crédito a clientes desceu 0,5% para 25,1 mil milhões de euros, devido à redução de créditos tóxicos na ordem dos 150 milhões de euros.

Aliás, o Novo Banco viu o rácio de malparado cair ligeiramente dos 11,8% no final de 2019 para 11,1% no final de março. Tem agora 3,3 mil milhões de euros em NPL (créditos problemáticos), sendo que o rácio de cobertura é de 59%.

Quando aos recursos de clientes (depósitos), eles cresceram 1,6% para para 28,8 mil milhões de euros, isto quando comparado com o final do ano passado.

Os prejuízos de 180 milhões de euros no arranque do ano seguem-se às perdas de 1.058,8 milhões de euros em 2019, e que levou o Novo Banco a pedir ao Fundo de Resolução uma injeção de 1.035 milhões de euros ao abrigo do mecanismo de capital contingente. Esta garantia pública vale 3,89 mil milhões de euros, sendo que quase 3 mil milhões já foram consumidos pelo banco.

(Notícia atualizada às 18h19)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco regista prejuízos de 180 milhões no primeiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião