Casas para venda diminuíram 60%, mas preços não mexeram

A pandemia levou a uma diminuição do número de casas para vender no país, mas não foi o suficiente para ditar uma descida dos preços, concluiu a proptech Casafari.

A pandemia foi uma espécie de travão ao mercado de venda de imóveis, levando a uma quebra de 60% na oferta, concluiu a proptech portuguesa Casafari. Ainda assim, isso não foi o suficiente para fazer os preços das casas descerem. Outra das tendências observadas entre fevereiro e maio foi a transição de imóveis afetos ao alojamento local para o arrendamento tradicional.

2020 começou por ser um ano recorde para o mercado imobiliário, mas rapidamente se inverteu a tendência. Foi em março, com os primeiros casos de coronavírus a aparecerem no país, que o setor começou a assistir aos primeiros impactos provocados pela pandemia. Assim, numa análise desde fevereiro a março, o Market Report da Casafari observou um recuo de 60% nas casas vendidas online em Lisboa e Faro, e de 62% no Porto.

Ao mesmo tempo, foi também registada uma redução no número de novos apartamentos anunciados nas plataformas — 15.867 em fevereiro para 14.409 em maio –, com Lisboa a destacar-se ao observar uma descida de 9%, à frente do Porto e Faro, com quebras de 5% e 3%, respetivamente.

Ainda assim, não houve uma descida nos preços dos imóveis, conclui o estudo, que analisou mais de cinco milhões de imóveis. De acordo com o Market Report, “os preços por metro quadrado mantiveram-se estáveis” e o que se observou foi antes um “abrandamento do aumento dos preços”. As reduções de preço, diz a Casafari, tiveram a variação percentual mais baixa desde o início do ano, com quebras entre os 27% no Porto, 75% em Lisboa e 79% em Faro.

“Os dois primeiros meses do ano foram bastante positivos, com fevereiro a ser o melhor mês para o mercado imobiliário. Mas março revelou-se um mês em que assistimos a quebras a vários níveis, um sinal de que o mercado está a reagir à atual situação da pandemia”, diz Nils Henning, fundador da proptech. “Os dados já estão a indicar alguns sinais de retoma e o mercado imobiliário português deverá recuperar gradualmente ao longo de 2021”.

Mais casas para arrendar. Muitas a saírem do alojamento local

No mercado de arrendamento, por sua vez, a Casafari observou uma tendência: a transição de imóveis afetos ao alojamento local para o arrendamento tradicional. Isto porque notou-se um “ligeiro aumento da oferta” nos últimos meses, nomeadamente de 21,43% em Lisboa, 1,44% no Porto e 13,35% no Porto. Ainda assim, tal como no mercado de venda, os preços das rendas mantiveram-se estáveis.

Esta conclusão da Casafari vem contrariar vários dados que têm sido divulgados pelo setor imobiliários nos últimos meses. Ao ECO, empresas e plataformas como a Century 21 e o Idealista já tinham reportado descidas entre os 10% e os 20% nas rendas a nível nacional. Esta segunda-feira, segundo dados do Imovirtual citados pelo Jornal de Notícias, as rendas já caíram 20% desde o início da pandemia.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casas para venda diminuíram 60%, mas preços não mexeram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião