Funcionários públicos em teletrabalho vão ter avaliação de desempenho

  • Lusa
  • 9 Junho 2020

Os 68 mil funcionários públicos que foram colocados em regime de teletrabalho vão ter uma avaliação de desempenho nos mesmos termos que os restantes trabalhadores.

A avaliação de desempenho dos funcionários públicos em teletrabalho vai ser feita nos mesmos termos que a dos restantes trabalhadores, embora possa haver reformulação dos objetivos caso se constate que o seu cumprimento foi comprometido por exigir trabalho presencial.

Em resposta à Lusa sobre a avaliação de desempenho de quem está em teletrabalho, fonte oficial do Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública precisou que estes trabalhadores “são avaliados nos mesmos termos dos restantes trabalhadores, com contratualização dos parâmetros de avaliação legalmente previstos”, ou seja, objetivos e competências.

“O que poderá eventualmente verificar-se é a necessidade de reformulação dos objetivos, se se entender que, por força da necessidade de o trabalhador ter sido colocado em teletrabalho, o cumprimento de algum ou de alguns dos seus objetivos ficar comprometido”, sublinhou a mesma fonte oficial, indicando que isso pode acontecer “em situações em que o cumprimento de um concreto objetivo só se pudesse fazer de forma presencial”.

Durante o período em que as entidades empregadoras, públicas e privadas, foram obrigadas em adotar o teletrabalho, houve 68 mil funcionários públicos que foram colocados neste regime.

Este número, segundo referiu a mesma fonte oficial, “correspondeu à quase a totalidade dos trabalhadores do Estado suscetíveis de exercer funções em teletrabalho nas carreiras gerais (sobretudo técnicos superiores e alguns assistentes técnicos)”.

O Programa de Estabilização Económica e Social (PEES), aprovado pelo Governo para dar resposta ao impacto do Covid-19, prevê que até ao final da legislatura fiquem em teletrabalho pelo menos 25% dos funcionários públicos com funções compatíveis com esta modalidade laboral.

O teletrabalho foi um dos temas analisado nas reuniões entre a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, e as estruturas sindicais da função pública, que se realizaram esta segunda-feira.

No final destes encontros – que marcaram o retomar das negociações, interrompidas durante cerca de quatro meses pela pandemia – o Ministério tutelado por Alexandra Leitão referia, em comunicado, que vai agora começar a discutir com os sindicatos a eventual necessidade de acautelar alguns aspetos específicos do regime do teletrabalho, nomeadamente relacionados com a privacidade, assiduidade ou ‘direito a desligar’, bem como o cumprimento de objetivos.

A revisão do sistema de avaliação de desempenho na administração pública (Siadap) foi outro dos temas analisado nesta reunião e sobre o qual Governo e sindicatos decidiram igualmente abrir uma mesa negocial.

O objetivo é fazer uma revisão do Siadap, visando a sua “simplificação e anualização”, tal como previsto no âmbito do programa plurianual contemplado no Orçamento do Estado para 2020.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Funcionários públicos em teletrabalho vão ter avaliação de desempenho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião