Governo vai transferir 850 milhões de euros para a CP nos próximos dez anos

Foi publicada em Diário da República a resolução do Conselho de Ministros com o valor das compensações financeiras à CP pelo cumprimento das obrigações de serviço público.

O Governo vai transferir 850 milhões de euros para a CP pelo cumprimento das obrigações de serviço público previstas no contrato assinado entre o Estado e a empresa há mais de seis meses. Esta verba será disponibilizada ao longo dos próximos dez anos, sendo que já este ano o valor a entregar à empresa, através de compensações financeiras, será de 88 milhões.

Já foi publicada em Diário da República a resolução do Conselho de Ministros do passado dia 7 de junho que deu o aval para a realização da despesa com o pagamento de compensações financeiras à CP pelo cumprimento das obrigações de serviço público previstas no contrato assinado entre o Estado e a empresa em novembro, mas que ainda aguarda o visto prévio do Tribunal de Contas (TdC) para entrar em vigor.

A disponibilização da verba só poderá ser feita após esse aval do TdC, mas para agilizar o processo o Governo entendeu conceder antecipadamente a autorização, isto numa altura em que já eram falados os problemas de liquidez da empresa de transporte ferroviário. Também afetada pela crise pandémica que ditou, desde março, restrições à mobilidade das pessoas e limitações à lotação dos transportes públicos, a CP tem vindo a perder 20 milhões de euros de receita por mês.

“As compensações financeiras visam assegurar que a execução das obrigações de serviço público pela CP é financeiramente sustentável”, diz a resolução do Conselho de Ministros hoje publicada em Diário da República, onde é salientado ainda que “a promoção do transporte ferroviário de passageiros foi assumida como uma prioridade essencial do Programa do XXII Governo Constitucional, em linha com os objetivos de descarbonização da economia, para os quais o setor dos transportes deve contribuir expressivamente”.

Com a autorização de despesa por parte do Governo, a CP vê agora a luz ao fundo do túnel na sua gestão financeira. No total, serão 850 milhões de euros distribuídos ao longo de dez anos, sendo que a CP irá receber do Estado mais de 81,1 milhões de euros este ano, valor que vai crescendo até ao máximo de cerca de 98,5 milhões de euros em 2022, para depois ir gradualmente descendo até aos quase 74,4 milhões de euros em 2029, ano em que finda este contrato.

Este contrato de serviço público assinado entre o Governo e a CP estabelece pela primeira vez de forma clara as obrigações de serviço público, a respetiva compensação e os indicadores operacionais que permitam verificar o seu cumprimento, mas também define incentivos para a prestação de um serviço de maior qualidade e penalizações por eventuais incumprimentos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo vai transferir 850 milhões de euros para a CP nos próximos dez anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião