BE quer contribuições extraordinárias da energia, distribuição e seguros

  • ECO
  • 12 Junho 2020

Bloco de Esquerda tem algumas exigências para viabilizar o Orçamento Suplementar. Além do lay-off, quer o alargamento das contribuições extraordinárias a setores que lucraram com a crise.

Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), diz que o seu partido irá viabilizar o Orçamento Suplementar, na generalidade, mas alerta que o seu voto favorável irá depender das negociações. Há algumas exigências, nomeadamente o alargamento das contribuições extraordinárias a outros setores.

O lay-off com salário a 100% para a maioria dos trabalhadores e apoios para precários são elementos chave para que o partido viabilize o documento entregue pelo Governo na Assembleia da República. Contudo, ao Jornal Económico (link indisponível), o BE exige ainda contribuições extraordinárias das energéticas, grande distribuição e seguradoras.

A líder bloquista faz mira a estes três setores por considerar que “que lucraram com a crise”. Neste sentido, diz, “devem ser chamados a contribuir” de forma extraordinária para o esforço exigido aos portugueses.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BE quer contribuições extraordinárias da energia, distribuição e seguros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião