Bastonário dos advogados opõe-se à delação premiada e a acordos de sentença

  • Lusa
  • 17 Junho 2020

Luís Menezes Leitão manifestou à Comissão de Combate à Corrupção a oposição da Ordem dos Advogados a qualquer iniciativa legislativa para instituir a delação premiada ou acordos de sentença.

O bastonário Luís Menezes Leitão manifestou esta quarta-feira à Comissão de Combate à Corrupção a oposição da Ordem dos Advogados (OA) a qualquer iniciativa legislativa para instituir a delação premiada ou acordos de sentença no direito criminal português.

No final da sua audição na Comissão para a definição de uma estratégia nacional de combate à corrupção, Menezes Leitão referiu à agência Lusa que “manifestou a oposição [da OA] a qualquer iniciativa que ponha em causa as proibições de prova consagradas na Constituição“, precisando que aludia à delação premiada e aos acordos de sentença.

O bastonário dos advogados vincou que não está “contra o direito premial”, mas contra a implementação no sistema português de um modelo de delação premiada como existe no Brasil, bem como de acordos de sentença semelhantes aos que existem no direito anglo-saxónico, como nos Estados Unidos.

Ao ser ouvido pela Comissão que é coordenada pela penalista Maria João Antunes e que funciona na dependência do Ministério da Justiça, Menezes Leitão alertou para a necessidade de se combater também a chamada “pequena corrupção” que disse estar bastante disseminada, nomeadamente ao nível da Administração Pública.

No entender do bastonário, é preciso divulgar e fazer perceber que a corrupção é sempre “grave”, mesmo que se trate de “pequenas trocas de favor”.

O Governo criou esta comissão/grupo de trabalho para definir uma “estratégia nacional, global e integrada de combate à corrupção”, tanto a nível preventivo como repressivo, numa tarefa que envolve a participação de diferentes profissionais e entidades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bastonário dos advogados opõe-se à delação premiada e a acordos de sentença

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião