Fundo de Resolução junta-se ao ministro nas críticas a Ramalho: “É absolutamente extemporâneo fazer previsões”

Presidente do Novo Banco disse que vai pedir mais dinheiro ao Fundo de Resolução do que o previsto devido ao impacto da pandemia. Depois de João Leão, agora é Máximo dos Santos a criticar Ramalho.

As declarações do presidente do Novo Banco sobre a necessidade de rever em alta as necessidades de capital a pedir ao Fundo de Resolução por causa da pandemia de Covid-19 também não caíram muito bem junto do organismo liderado por Máximo dos Santos, que se junta às críticas dirigidas pelo novo ministro das Finanças, João Leão, a António Ramalho.

Ao ECO, o Fundo de Resolução afirmou que “é absolutamente extemporâneo fazer previsões sobre o valor que pode vir a ser pago pelo Fundo de Resolução em 2021 com base nas contas do Novo Banco de 2020″, isto depois de questionado sobre se sabia qual o valor estimado pelo banco para a injeção de capital antes e após o Covid-19.

Em entrevista ao Jornal de Negócios e Antena 1, António Ramalho adiantou que o dinheiro a injetar pelo Fundo de Resolução, ao abrigo do mecanismo de capital contingente, vai ser maior do que o previsto inicialmente por causa da “deterioração das condições económicas” em resultado da pandemia. “Nós tínhamos um capital que esperávamos ir buscar antes do Covid-19 e [agora] há um capital que estimamos que possamos ter que necessitar no final do ano, depois do Covid-19″, disse.

Estas afirmações serviram de rastilho para uma nova vaga de críticas ao Novo Banco, quase mês e meio depois de o banco ter sido protagonista na polémica transferência autorizada por Mário Centeno sem o conhecimento do primeiro-ministro.

Quando “leu a notícia” de que o banco vai precisar de mais dinheiro do que o previsto, o Presidente da República ficou “estupefacto”. Da esquerda à direita, os partidos políticos voltaram a questionar o contrato de venda do Novo Banco aos americanos do Lone Star (que entretanto chegou ao Parlamento). Esta terça-feira, o novo titular da pasta das Finanças atirou diretamente contra António Ramalho. “Penso que as questões colocadas pelo presidente do Novo Banco são nesta fase extemporâneas. O senhor presidente do Novo Banco deve, nesta fase, concentrar-se em gerir bem o Novo Banco até ao final do ano“, disse João Leão no Parlamento.

É absolutamente extemporâneo fazer previsões sobre o valor que pode vir a ser pago pelo Fundo de Resolução em 2021 com base nas contas do Novo Banco de 2020.

Fundo de Resolução

A estas críticas junta-se agora o Fundo de Resolução, que controla 25% do capital do Novo Banco e quem tem a responsabilidade de fazer as injeções na instituição, num novo episódio de divergência com a administração de António Ramalho.

Anteriormente, as duas partes já haviam chocado de frente em relação a uma questão contabilística no valor 200 milhões de euros e cujo conflito está agora a ser resolvido por um tribunal arbitral, como prevê o acordo de capital contingente.

Mais recentemente, aquando da última injeção para o Novo Banco, o Fundo de Resolução abateu dois milhões de euros ao cheque transferido para o banco por não concordar com o bónus diferido no mesmo montante que foram atribuídos à administração. A nova polémica prossegue dentro de momentos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fundo de Resolução junta-se ao ministro nas críticas a Ramalho: “É absolutamente extemporâneo fazer previsões”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião