Governo aprova benefícios fiscais a quatro empresas que vão criar 426 empregos

Governo vai dar incentivos ficais a quatro empresas que prometem investir 249 milhões de euros e criar 426 novos postos de trabalho até 2023.

O Governo vai dar incentivos fiscais a quatro empresas — DS Smith Paper Viana, Hilodi, Kirchhoff Automotive Portugal e Maap – MA Automotive Portugal — que têm projetos de investimento de 249 milhões de euros e se comprometem a criara 426 novos postos de trabalho.

O Governo aprovou no Conselho de Ministros desta quinta as minutas referentes aos contratos fiscais de investimento a celebrar entre o Estado Português e quatro empresas, “cujos projetos representam particular interesse para a economia nacional. Serão investidos 249 milhões de euros e criados 426 novos postos de trabalho até 2023”, revelou o secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, André Moz Caldas.

O investimento mais avultado é assegurado pela DS Smith Paper Viana com um projeto de 107,5 milhões de euros, mas que promete criar apenas dez novos postos de trabalho até 2023. Este grupo britânico vendeu em 2018 a fábrica que tinha em Ovar para comprar a fabricante espanhola de papel e cartão Europac por 1,9 mil milhões de euros. Ficou com as fábricas em Sintra, Leiria, Figueira da Foz, Gondomar e Viana do Castelo.

Já a Hilodi – Historic Lodges & Discoveries propõe-se a investir 102,8 milhões de euros e criar 313 postos de trabalho até 31 de dezembro do próximo ano. Esta empresa de organização de atividades de animação turística é a responsável pela transformação dos armazéns vazios, no centro histórico de Vila Nova de Gaia, para dar lugar a três museus: um dedicado à cortiça, outro ao vinho e ainda outro à moda e ao design. O projeto turístico arrancou no início do ano passado e representava um investimento global de 38,01 milhões de euros, que, na altura, fazia da Hilodi a maior beneficiária dos financiamentos à reabilitação urbana através do IFRRU 2020.

No setor automóvel surge o projeto de investimento da Kirchhoff Automotive Portugal de 27,3 milhões de euros que prevê a criação de 30 postos de trabalho até 31 de dezembro de 2021. Mas também da Maap – MA Automotive Portugal que tem um projeto de investimento de 12,2 milhões de euros e promete criar 73 postos de trabalho também até ao final do próximo ano.

Tanto a Hilodi como a Kirchoff Automotive Portugal já tinham assinado, no início do ano, contratos de incentivos financeiros ao investimento com a Aicep

Estes incentivos fiscais normalmente traduzem-se por crédito de imposto, em sede de IRC e isenção de IMT (Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis) e imposto de selo. Mas o comunicado do Conselho de Ministros é omisso quanto ao tipo de incentivos oferecido.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo aprova benefícios fiscais a quatro empresas que vão criar 426 empregos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião