IVA variável na luz pode penalizar fatura das famílias numerosas e beneficiar quem tem casa de férias, diz Deco

A defesa do consumidor diz que a aplicação prática da medida deve ter em conta a dimensão dos agregados familiares e que os escalões de consumo "beneficiados” devem abranger a maioria.

Depois de o novo ministro Finanças, João Leão, ter adiado a questão da descida do IVA da luz em Portugal, ao dizer que o Governo vai avançar com a medida mas “em tempo oportuno” e quando tiver a “aprovação final da Comissão Europeia”, esta quinta-feira a Deco vem criticar a proposta para fazer variar o imposto entre os 6% e os 23% em função dos escalões de consumo. Ou seja, quem consumir menos eletricidade vai pagar menos IVA. Quem não ficar abrangido ou gastar mais eletricidade, continuará a pagar a taxa máxima de 23%.

A defesa do consumidor defende que esta nova proposta para reduzir IVA da eletricidade submetida a Bruxelas “cria desigualdades entre os consumidores” e questiona porque é que a mesma não é também aplicada ao gás natural, como aconteceu em 2019 com a descida do imposto para a taxa mínima de 6% apenas no termo fixo da fatura (potência contratada): até aos 3,45 kVA na eletricidade e para consumos em baixa pressão de gás natural que não ultrapassem os 10.000 metros cúbicos anuais.

A Deco chama desde logo atenção para o perigo de penalização dos consumos elevados de luz das famílias de maior dimensão, muitas delas em situação economicamente vulnerável, ao mesmo tempo que são beneficiadas as segundas habitações, como casas de férias, por exemplo, onde se consome menos energia elétrica.

“Temos muita curiosidade em conhecer os critérios subjacentes à divisão [dos escalões de consumo para aplicação das diferentes taxas de IVA], dado que é essencial que, por exemplo, considerem a dimensão do agregado familiar, para não penalizar as famílias numerosas que, como é natural, gastarão mais eletricidade. Ou ainda como serão distinguidas as situações de segundas habitações: ao serem menos usadas, os consumos serão menores, logo pagarão menos IVA”, sublinha a Deco, acrescentando: “O Governo pretende aplicar uma taxa de IVA mais reduzida a quem consome menos eletricidade. Mas, ao penalizar quem gasta mais energia, muitos portugueses continuarão a ser prejudicados pela utilização de um serviço público essencial”.

No mínimo, sublinha a associação, os escalões de consumo “beneficiados” devem abranger a maioria dos portugueses, ou seja, devem ser criados “patamares que contemplem os níveis médios de consumo de uma família portuguesa”. No entanto, e sem conhecer a divisão pensada para os diferentes escalões de consumo, a Deco não consegue ainda avaliar o impacto da proposta e quanto poderão poupar alguns consumidores.

Da mesma forma, diz a Deco, “se a redução do IVA só incide na eletricidade, há uma distorção da concorrência, uma vez que tanto o gás natural como o engarrafado ou canalizado ficam de fora da proposta. Mais uma inconsistência do argumento de que se trata de uma medida socialmente justa”, defendem em comunicado. Prejudicados pela medida podem ficar também os cidadãos mais ecológicos e ambientalmente conscientes.

O Governo garante que a proposta de redução do IVA pode contribuir positivamente para os objetivos do Pacto Verde Europeu e que não compromete “os princípios da neutralidade e da não distorção da concorrência”, mas a Deco diz que desta forma continuam a ser “penalizadas com uma taxa de 23% de IVA as famílias que optarem pela eletrificação. É o caso, por exemplo, de um consumidor que comprou um automóvel elétrico e que gasta, necessariamente, mais eletricidade para carregar o carro: não é correto penalizá-lo por ter feito uma escolha mais eficiente para as suas deslocações e promovida como positiva, pelo Estado”.

Argumenta a defesa do consumidor que “a eletricidade é um serviço público essencial e, por esta razão, não faz muito sentido haver uma diferenciação da taxa de IVA em função do consumo. Quando o Governo refere que a proposta é “socialmente justa”, temos algumas dúvidas que assim seja, dado que discrimina precisamente parte dos portugueses. O IVA é um imposto cego, ou seja, não diferencia a quem é aplicado, pelo que é estranho usar este instrumento fiscal para fins de justiça social”.

Desde 2018, 86 mil pessoas subscreveram a petição online da Deco “Bastam 6”, que reivindica a descida da taxa de IVA para 6% em toda a fatura de energia doméstica, sem estar restrita à potência contratada ou ao escalão de consumo.

Esta quarta-feira, durante o debate do Orçamento Suplementar na generalidade, o deputado do BE Jorge Costa desafiou o novo responsável pelas Finanças, João Leão, a “concretizar finalmente” a descida do IVA da eletricidade, considerando que “um novo atraso do Governo já será um recuo” e que é agora que esta medida “faz mais falta” às famílias.

Na resposta, João Leão começou por referir que “a iniciativa de proposta neste âmbito de alteração legislativa foi do Governo”, uma “solução inovadora, com preocupações ambientais e sociais, que felizmente teve acolhimento” do Comité do IVA da Comissão Europeia.

“É uma iniciativa que o Governo tem uma autorização legislativa para a implementar e em tempo oportuno, e quanto tiver a aprovação final da Comissão Europeia, fará a implementação dessa medida”, assegurou.

O BE vai avançar com uma proposta de alteração para que a redução do IVA da eletricidade de acordo com o consumo, uma medida que já teve ‘luz verde’ da Comissão Europeia, entre em vigor com o Orçamento Suplementar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IVA variável na luz pode penalizar fatura das famílias numerosas e beneficiar quem tem casa de férias, diz Deco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião