Elisa Ferreira espera “progressos” no plano de recuperação. “É importante não perder o momentum”

  • Vasco Gandra, em Bruxelas
  • 19 Junho 2020

Elisa Ferreira espera que os líderes europeus façam "progressos" nas negociações sobre o plano de recuperação económica e o orçamento europeu de longo prazo, lembrando a "urgência" de uma decisão.

Os líderes dos 27 reúnem-se esta sexta-feira por videoconferência, pela primeira vez desde que a Comissão propôs um fundo de recuperação económica para ajudar a Europa a sair da recessão provocada pela pandemia, bem como o reforço do orçamento europeu para 2021-2027. Dificilmente haverá um acordo, mas Elisa Ferreira espera “progressos”.

“Espero que o Conselho Europeu possa fazer progressos, no sentido de aproximar posições dos Estados-membros, que nos coloquem mais próximos de um acordo”, afirma a comissária da Coesão e Reformas numa declaração ao ECO.

Elisa Ferreira espera que os líderes europeus consigam aproveitar o “momentum” proporcionado pelas propostas do executivo comunitário que elevaram o “poder de fogo” da UE na resposta à crise provocada pela pandemia para um montante global de 1,85 biliões de euros.

"Espero que o Conselho Europeu possa fazer progressos, no sentido de aproximar posições dos Estados-membros, que nos coloquem mais próximos de um acordo.”

Elisa Ferreira

Comissária da Coesão e Reformas

“Depois das propostas ambiciosas e corajosas da Comissão Europeia, é importante não perder o momentum nem perder de vista a urgência de uma decisão”, diz a comissária portuguesa, referindo-se à forte recessão que já se faz sentir na região.

Bruxelas propõe um montante total para o Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros — 500 mil milhões em subvenções e 250 mil milhões em empréstimos. A Comissão poderá contrair empréstimos naquele total nos mercados financeiros, a ser reembolsado durante um longo período de tempo, abrangendo vários orçamentos europeus entre 2028-2058. Para cobrir aquela dívida, Bruxelas também propõem criar novos recursos próprios.

Parlamento pressiona Conselho

O Parlamento Europeu tem um papel a desempenhar já que deverá aprovar (ou não) o Quadro Financeiro Plurianual e também pretende estar envolvido na elaboração e implementação do Fundo de Recuperação. Os principais grupos políticos já avançaram com algumas exigências. Numa carta dirigida aos chefes de Estado e de governo, os líderes das principais bancadas pedem um acordo antes do verão, um Fundo de Recuperação com um mínimo de 500 mil milhões de euros em transferências (a fundo perdido) e recursos próprios adequados para cobrir o plano.

Os eurodeputados portugueses Margarida Marques (PS) e José Manuel Fernandes (PSD), membros da equipa de negociação do PE para o Quadro Financeiro Plurianual, evitam falar de “linhas vermelhas”. Preferem o termo “condições” para se referirem às reivindicações dos principais grupos da assembleia. Convergem na necessidade de manter o valor global de 500 mil milhões em subvenções (empréstimos significa endividamento).

José Manuel Fernandes sublinha ainda a importância de se manter a proporção proposta pela Comissão de subvenções e de empréstimos, enquanto Margarida Marques defende uma atenção particular a dar à condicionalidade macroeconómica agrafada ao financiamento.

O eurodeputado social-democrata diz que é necessário “uma verdadeira e rápida solução”, para ajudar a Europa a sair da recessão. “Mas já se percebeu que não vai ser rápida, possivelmente só em julho”. A eurodeputada socialista também não espera para esta reunião um acordo político, antes sim “uma clarificação das divergências entre os 27 e, eventualmente, uma aproximação de posições”. Mas acredita que há espaço para um acordo nas próximas semanas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Elisa Ferreira espera “progressos” no plano de recuperação. “É importante não perder o momentum”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião