ERSE diz à REN para investir só 25,7 milhões na rede de gás natural, sete vezes menos do que o previsto

O regulador prevê que na próxima década o gás natural perca peso no mix energético, o que não invalida o investimento da rede. A ERSE quer incentivos à injeção de gases descarbonizados na rede.

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) deu o seu parecer à Proposta de Plano de Desenvolvimento e Investimento na Rede de Transporte, Infraestruturas de Armazenamento e Terminais de Gás Natural Liquefeito (RNTIAT), para o período 2020-2029 (PDIRGN 2019), no qual recomenda que a REN – Gasodutos, enquanto operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural, submeta para aprovação do Governo um investimento de 25,7 milhões de euros. Trata-se de um grande corte face à proposta feita pela empresa.

Na sua proposta inicial, a REN propunha um montante total de investimento 184,4 milhões de euros: 35,6 milhões nos primeiros cinco anos e 148,8 milhões nos seguintes. A recomendação da ERSE acabou por ser sete vezes inferior a este montante. Em causa está a transição energética em curso e a incerteza face ao futuro do setor do gás natural.

Dos 25,7 milhões agora recomendados pelo regulador, 5,3 milhões dizem respeito à gestão técnica global e 20,4 milhão serão para o Terminal de GNL de Sines, entre outros projetos. Em resultado desta recomendação, diz a ERSE, o valor total de investimento na rede no quinquénio entre 2020 e 2024 ascenderá a 48,2 milhões de euros, na sequência da aprovação de um plano de desenvolvimento da rede, que já incluia a concretização de investimentos na RNTIAT da ordem dos 22,5 milhões de euros, de 2020 a 2022.

Isto “permite antecipar uma manutenção dos custos a suportar pelos consumidores em sede de tarifas de acesso às redes de gás natural, remata a ERSE, garantindo que no que respeita às tarifas de venda a clientes finais, os impactes tarifários destes investimentos serão reduzidos, entre 0,08% e 0,03%.

O regulador prevê que na próxima década o gás natural venha a perder peso no mix energético, o que não invalida no entanto o investimento da rede, tendo em conta a transição e adaptação da mesma para comportar gases descarbonizados, como o hidrogénio verde.

“O gás natural irá desempenhar um papel importante na transição para um sistema energético de base renovável, dado que funcionará como backup a um sistema eletroprodutor fortemente renovável, permanecendo no sistema nas próximas duas décadas, sendo expectável a redução gradual da sua utilização no médio e longo prazo. A discussão em curso sobre o futuro papel do gás num sistema energético totalmente descarbonizado irá identificar as possíveis tecnologias necessárias para esses desenvolvimentos, e explorar como essas tecnologias podem promover o acoplamento entre os setores de eletricidade e gás. Assim, no horizonte temporal abrangido pela proposta de PDIRGN 2019, deverão surgir projetos que, inicialmente enquadrados como projetos-piloto ou de base exploratória, permitirão avaliar o potencial destas novas tecnologias”, diz a ERSE.

O regulador confirma que os comentários recebidos durante a Consulta Pública à proposta de PDIRGN 2019 foram favoráveis à adaptação gradual das infraestruturas do sistema nacional de gás natural à receção de gases descarbonizados. O Conselho Tarifário da ERSE recomenda a adoção de incentivos e “estímulos” à incorporação destes gases, por exemplo através de projetos-piloto e remoção de eventuais barreiras regulatórias à sua injeção na rede.

No seu parecer, a ERSE travou no entanto os investimentos relativos ao projeto de “adaptação do cais de acostagem do Terminal de Gás Natural Liquefeito de Sines”, para permitir o abastecimento deste combustível a navios. O regulador reconhece a importância do transporte marítimo como
potencial nova utilização de GNL e a sua importância como eixo da descarbonização da economia, mas decidiu que ainda não é o momento adequado para decidir sobre o investimento neste projeto “devido à incerteza sobre o modo como a referida estratégia nacional virá a ser concretizada. Somam-se ainda “dúvidas sobre a remuneração do ativo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ERSE diz à REN para investir só 25,7 milhões na rede de gás natural, sete vezes menos do que o previsto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião