Pandemia arrefece vendas de casas e novos arrendamentos

O novo contexto criado pelo surto de Covid-19 levou a uma diminuição no volume de vendas de alojamentos familiares e de novos contratos de arrendamento na generalidade do país no mês de abril.

Depois de um mês marcado pelo confinamento, a pandemia continuou a pressionar o mercado imobiliário em abril. Nesse mês, foram vendidos 5,1 alojamentos por cada mil alojamentos familiares clássicos em Portugal. O número representa uma queda de 19% face a março e uma redução de 17% comparativamente com abril de 2019.

Esta informação faz parte de uma análise do Instituto Nacional de Estatística (INE) a vários indicadores que põe a descoberto o impacto socioeconómico da pandemia. Os dados dizem respeito a um período de paralisação para uma parte significativa da economia portuguesa, coincidindo ainda com o estado de emergência, que obrigou a generalidade dos portugueses a ficarem em casa.

Segundo o INE, a nível regional, apenas a Área Metropolitana de Lisboa e o Algarve registaram valores acima da média nacional, com, respetivamente, 7,1 e 6,7 alojamentos familiares vendidos por cada mil. Todas as restantes regiões “apresentaram um número de vendas por mil alojamentos familiares inferior à referência nacional, destacando-se o Centro com o menor” valor face às demais zonas do país.

Contas feitas, “em abril de 2020, em todas as regiões NUTS II, registou-se uma diminuição do número de vendas de alojamentos familiares face ao período homólogo, destacando-se a redução no Algarve (-24,3%) e a Região Autónoma da Madeira (-20,5%)”, destaca o organismo oficial de estatística. Um sinal do impacto da pandemia nas vendas de imobiliário para habitação em Portugal, mas que não permite imediatamente concluir se a pressão foi exercida do lado da oferta ou da procura, ou em ambas as vertentes.

Arrendamento recua. Só Lisboa fica acima da média

Mas não foram apenas as vendas de imobiliário a sofrerem esta pressão. Também o mercado do arrendamento assistiu a alterações nos padrões devido à pandemia, depois de o Governo ter permitido durante o estado de emergência o prolongamento dos contratos de arrendamento que estavam a expirar, facilitando a vida a muitas famílias com casa arrendada e que poderiam ficar desalojadas num período económico e financeiro mais sensível.

“Em abril de 2020, registaram-se 2,2 novos contratos de arrendamento por mil alojamentos familiares clássicos em Portugal, o que representou uma diminuição de 50% face ao mês anterior e de 13% face ao período homólogo”, destaca o INE. Todas as regiões NUTS II apresentaram números abaixo desta referência nacional, exceto a Grande Lisboa, com 2,9 novos contratos por cada mil alojamentos.

A divisão estatística do território por NUTS II designa-se por várias regiões alargadas, como Norte, Centro, Alentejo, Algarve, Área Metropolitana de Lisboa, Madeira e Açores.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia arrefece vendas de casas e novos arrendamentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião