“Se queremos contribuir para a sustentabilidade, temos de ser mais exigentes com os investimentos”

Euronext lançou índice ESG, que pretende ser um benchmark europeu para a comercialização de produtos de investimento sustentável. No grupo de 80 cotadas estão incluídas a Galp e a Jerónimo Martins.

A Euronext, grupo que gere a bolsa de Lisboa, lançou um novo índice acionista com critérios ambientais, sociais e de governance (ESG, na sigla em inglês) que pretende que seja o primeiro benchmark europeu para o investimento sustentável. Há duas empresas portuguesas no grupo, mas os critérios de liquidez deverão impedir que Portugal tenha grande representação.

“Temos feito um esforço para ser mais exigentes nos critérios dos nossos índices”, diz Isabel Ucha, presidente da Euronext Lisbon, num encontro com jornalistas esta sexta-feira, em que apresentou os novos produtos que o grupo lançou. Entre os mais importantes está índice Euronext Eurozone ESG Large 80, que agrega as 80 large caps da Zona Euro com melhor desempenho ESG.

“Todos nós, se queremos contribuir para a sustentabilidade, devemos ser mais exigentes nos investimentos”, sublinhou Ucha. “Se formos todos mais exigentes na forma como aplicamos a nossa poupança, podemos fazer a diferença na canalização do investimento para atingirmos estes objetivos“, disse, sublinhando que há uma crescente procura por estas opções pelo que o índice responde às necessidades dos investidores.

Em comparação com o Euronext 500, as empresas deste índice têm uma pega de carbono 70% inferior. O objetivo da Euronext é que seja o benchmark para produtos indexados, como exchange-traded funds (ETF), que sejam comercializados por toda a Europa, incluindo Portugal. Ucha diz que já há procura de intermediários financeiros.

"Todos queremos transitar para energias mais limpas, mas temos de perceber que há um caminho a fazer.”

Isabel Ucha

Presidente da Euronext Lisbon

A Galp Energia e a Jerónimo Martins estão no grupo das empresas escolhidas para este benchmark. Questionada sobre a inclusão de uma petrolífera, a presidente da bolsa de Lisboa defendeu que “todos queremos transitar para energias mais limpas, mas temos de perceber que há um caminho a fazer”.

Quanto à possibilidade de inclusão de outras cotadas portuguesas — nomeadamente da EDP, que é a maior emitente em Portugal de green bonds –, Ucha explicou que será difícil devido aos critérios cumulativos de diversificação regional e setorial, a par de regras de liquidez e critérios best in class ESG.

Em linha com esta estratégia de aposta na sustentabilidade, a Euronext lançou também um novo serviço de ESG Advisory para apoiar empresas a serem mais sustentáveis. Centralizado no grupo, mas com equipas em cada país, este serviço é costumizado às necessidades de cada empresa e pode ser contratado tanto por cotadas ou emitentes de obrigações como por empresas privadas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Se queremos contribuir para a sustentabilidade, temos de ser mais exigentes com os investimentos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião