“Haverá mais dinheiro verde devido aos estímulos” contra o Covid-19, diz o CEO da Euronext

Covid-19 é uma oportunidade para impulsionar a tendência (que já emergia) de sustentabilidade nas finanças. Grupo que gere a bolsa de Lisboa espera novo recorde nos fundos de investimento ESG em 2020.

O investimento sustentável não arrefeceu com a pandemia e até poderá servir de impulso adicional na recuperação após o Covid-19. Esta é a convicção do CEO da Euronext (dona da bolsa de Lisboa), Stéphane Boujnah, que antecipa um aumento no dinheiro verde devido aos estímulos de bancos centrais e governos.

“As crises e as guerras não inventam nada, mas aceleram o que já estava a emergir antes. O Covid-19 está a acelerar esta tendência, o que é normal dados os estímulos monetários e orçamentais massivos que estão a ser lançados para limitar o impacto da crise“, disse Boujnah, num encontro virtual com jornalistas esta quarta-feira, em relação a critérios ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês).

"O Covid-19 está a acelerar esta tendência, o que é normal dados os estímulos monetários e orçamentais massivos que estão a ser lançados para limitar o impacto da crise.”

Stéphane Boujnah

CEO da Euronext

Haverá mais dinheiro para a transição verde e sustentável devido ao tamanho dos estímulos e porque esta crise vai servir para a reconfiguração de muitas empresas.”, afirmou. “Não há uma solução que sirva para todos, mas [o ESG] será parte da solução após Covid-19”.

O CEO da Euronext explicou que o investimento ESG não foi penalizado pela pandemia, apontando para o financiamento captado pelos fundos. Em pleno sell-off nos mercados, os fundos de investimento ESG europeus atraíram 30 mil milhões de euros no primeiro trimestre. Para o total do ano, a empresa estima que o montante captado se aproxime de 150 mil milhões de euros.

Fonte: Euronext

O gestor francês lembrou que “a tendência de migração dos fluxos de investimento para ESG começou muito antes do Covid-19, mas há uma mudança de fundamentos”, apontando para grandes investidores — como a maior gestora de ativos do mundo, BlackRock — que mudaram de estratégia devido ao crescente interesse dos clientes. “A pressão para essa mudança é massiva”, diz.

Se do lado dos investidores o interesse manteve-se, também as empresas continuaram empenhadas em emitir dívida verde. A Euronext tem atualmente 221 obrigações verdes cotadas, equivalentes a 54,3 mil milhões de euros, tendo registado 20 operações de emissão de dívida verde desde o início da crise do Covid-19. Neste grupo, inclui-se a portuguesa EDP.

"Antes da crise, a Europa já estava à frente e penso que esta diferença em relação ao resto do mundo vai alargar-se porque há todo um alinhamento entre países, Comissão Europeia e banco central em relação ao ESG. Acredito que haverá uma aceleração.”

Stéphane Boujnah

CEO da Euronext

“O mundo será mais ESG e não menos, e a Europa vai ter um papel muito importante. Antes da crise, a Europa já estava à frente e penso que esta diferença em relação ao resto do mundo vai alargar-se porque há todo um alinhamento entre países, Comissão Europeia e Banco Central Europeu em relação ao ESG. Acredito que haverá uma aceleração“, acrescentou.

A Euronext — que gere as bolsas de sete países europeus, incluindo Portugal — tem reforçado a aposta na sustentabilidade. Esta quarta-feira anunciou o lançamento de uma série de novos produtos, incluindo o alargamento do segmento de dívida com critérios ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês), bem como a criação de um índice acionista que agrega as 80 grandes empresas mais sustentáveis da Europa, onde se incluem as portuguesas Galp Energia e Jerónimo Martins.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Haverá mais dinheiro verde devido aos estímulos” contra o Covid-19, diz o CEO da Euronext

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião