“Haverá mais dinheiro verde devido aos estímulos” contra o Covid-19, diz o CEO da Euronext

Covid-19 é uma oportunidade para impulsionar a tendência (que já emergia) de sustentabilidade nas finanças. Grupo que gere a bolsa de Lisboa espera novo recorde nos fundos de investimento ESG em 2020.

O investimento sustentável não arrefeceu com a pandemia e até poderá servir de impulso adicional na recuperação após o Covid-19. Esta é a convicção do CEO da Euronext (dona da bolsa de Lisboa), Stéphane Boujnah, que antecipa um aumento no dinheiro verde devido aos estímulos de bancos centrais e governos.

“As crises e as guerras não inventam nada, mas aceleram o que já estava a emergir antes. O Covid-19 está a acelerar esta tendência, o que é normal dados os estímulos monetários e orçamentais massivos que estão a ser lançados para limitar o impacto da crise“, disse Boujnah, num encontro virtual com jornalistas esta quarta-feira, em relação a critérios ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês).

"O Covid-19 está a acelerar esta tendência, o que é normal dados os estímulos monetários e orçamentais massivos que estão a ser lançados para limitar o impacto da crise.”

Stéphane Boujnah

CEO da Euronext

Haverá mais dinheiro para a transição verde e sustentável devido ao tamanho dos estímulos e porque esta crise vai servir para a reconfiguração de muitas empresas.”, afirmou. “Não há uma solução que sirva para todos, mas [o ESG] será parte da solução após Covid-19”.

O CEO da Euronext explicou que o investimento ESG não foi penalizado pela pandemia, apontando para o financiamento captado pelos fundos. Em pleno sell-off nos mercados, os fundos de investimento ESG europeus atraíram 30 mil milhões de euros no primeiro trimestre. Para o total do ano, a empresa estima que o montante captado se aproxime de 150 mil milhões de euros.

Fonte: Euronext

O gestor francês lembrou que “a tendência de migração dos fluxos de investimento para ESG começou muito antes do Covid-19, mas há uma mudança de fundamentos”, apontando para grandes investidores — como a maior gestora de ativos do mundo, BlackRock — que mudaram de estratégia devido ao crescente interesse dos clientes. “A pressão para essa mudança é massiva”, diz.

Se do lado dos investidores o interesse manteve-se, também as empresas continuaram empenhadas em emitir dívida verde. A Euronext tem atualmente 221 obrigações verdes cotadas, equivalentes a 54,3 mil milhões de euros, tendo registado 20 operações de emissão de dívida verde desde o início da crise do Covid-19. Neste grupo, inclui-se a portuguesa EDP.

"Antes da crise, a Europa já estava à frente e penso que esta diferença em relação ao resto do mundo vai alargar-se porque há todo um alinhamento entre países, Comissão Europeia e banco central em relação ao ESG. Acredito que haverá uma aceleração.”

Stéphane Boujnah

CEO da Euronext

“O mundo será mais ESG e não menos, e a Europa vai ter um papel muito importante. Antes da crise, a Europa já estava à frente e penso que esta diferença em relação ao resto do mundo vai alargar-se porque há todo um alinhamento entre países, Comissão Europeia e Banco Central Europeu em relação ao ESG. Acredito que haverá uma aceleração“, acrescentou.

A Euronext — que gere as bolsas de sete países europeus, incluindo Portugal — tem reforçado a aposta na sustentabilidade. Esta quarta-feira anunciou o lançamento de uma série de novos produtos, incluindo o alargamento do segmento de dívida com critérios ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês), bem como a criação de um índice acionista que agrega as 80 grandes empresas mais sustentáveis da Europa, onde se incluem as portuguesas Galp Energia e Jerónimo Martins.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Haverá mais dinheiro verde devido aos estímulos” contra o Covid-19, diz o CEO da Euronext

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião