Facebook vai permitir “desligar” propaganda política no feed

A poucos meses das presidenciais nos EUA, o Facebook vai permitir aos utilizadores optarem por não ver anúncios políticos na rede social e também no Instagram. Planeia lançar a opção noutros países.

O Facebook vai permitir aos utilizadores nos EUA optarem por deixar de ver propaganda política nos seus feeds na rede social. Esta maior flexibilidade aos utilizadores faz parte de um conjunto de medidas mais alargado para preparar a campanha das presidenciais norte-americanas marcadas para novembro.

“A partir de hoje [terça-feira] para algumas pessoas e a lançar para toda a gente nos EUA ao longo das próximas semanas, vai ser possível desligar todas as campanhas de assuntos sociais, eleitorais e políticos de candidatos ou outras organizações”, avançou o Facebook num comunicado. A opção também estará disponível para o Instagram.

Apesar de esta flexibilidade não ser disponibilizada em Portugal, a notícia pinta-se de relevância depois de a rede social Twitter ter decidido, em outubro do ano passado, banir toda a publicidade política da plataforma. O Facebook, que gera receitas das campanhas publicitárias que apresenta na rede social, tem rejeitado seguir o mesmo caminho da empresa concorrente.

A empresa garante, contudo, que tenciona disponibilizar esta nova opção “noutros países” onde esteja em vigor a discriminação de anúncios sociais e políticos no Facebook, um tipo de campanhas que passaram a ter regras mais apertadas nos últimos anos. Portugal é um dos países em que existe esse regime diferenciado para a publicidade financiada por organizações como partidos políticos, por exemplo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook vai permitir “desligar” propaganda política no feed

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião