Facebook recusa banir propaganda. Mas vai permitir optar por ver menos anúncios políticos

Os utilizadores do Facebook vão poder escolher ver menos anúncios políticos na plataforma, prometeu a rede social. No entanto, continua a recusar travar a publicidade política, mesmo a falsa.

Mark Zuckerberg, criador do Facebook, durante uma audição no Congresso dos EUA.EPA/MICHAEL REYNOLDS

O Facebook recusa travar a propaganda política que contenha informação falsa. Mas prepara-se para pôr em prática uma alternativa para tentar resolver a polémica questão: dar aos utilizadores mais controlo sobre os anúncios políticos que veem na rede social.

A empresa fundada por Mark Zuckerberg revelou uma série de medidas que espera que tragam mais transparência ao Facebook e que ponham o utilizador no centro da discussão. Entre elas está um “novo controlo para permitir às pessoas verem menos anúncios de política e questões sociais no Facebook e no Instagram”, informou a plataforma.

Por norma, os anunciantes — organizações ou pessoas — que queiram pagar ao Facebook para “promover” uma publicação passaram a ter de indicar à rede social se o tema é sobre política ou assuntos de caráter social. Quando é o caso, o anúncio é alvo de um processo especial de revisão por parte da rede social. Assim, são estes os anúncios que o Facebook pretende que os utilizadores optem por ver em menor quantidade.

Mas há mais. Outra das medidas na calha é permitir aos utilizadores que optem por não ser impactados por anunciantes que tenham definido a sua própria audiência. Em causa estão, por exemplo, candidatos políticos que forneçam ao Facebook uma lista personalizada com os contactos das pessoas que pretendem impactar com uma campanha: com esta medida, o utilizador pode optar por não fazer parte da audiência, ou o contrário, participando na campanha, mesmo que o anunciante não o pretenda.

“Por exemplo, se um candidato optou por excluí-lo de ver um certo anúncio para uma angariação de fundos porque pensa que já não vai doar novamente, mas quiser continuar a ver esses anúncios, pode impedir de ser excluído”, explica o Facebook. Para já, não é certo como é que estas medidas se irão materializar, nem a data concreta para a sua eventual entrada em vigor.

A empresa pretende ainda criar novos filtros de busca na biblioteca de anúncios políticos, bem como passar a indicar a audiência potencial de um determinado anúncio. A biblioteca, disponível aqui, permite que qualquer utilizador do Facebook possa ver quanto é que um partido ou organização investiu em anúncios na plataforma, mantendo um registo dos mesmos durante vários anos.

Estas medidas surgem numa altura em que o Facebook tem sido pressionado para travar anúncios políticos, sobretudo os que contenham informação taxativamente falsa, algo que a rede social tem recusado fazer. A imprensa internacional tem dado conta de que mesmo no conselho de administração do Facebook, alguns dos membros têm pressionado Mark Zuckerberg a alterar o mecanismo nesse sentido, mas o fundador, que controla a maioria dos direitos de voto, tem recusado fazê-lo, alegadamente sob influência do administrador Peter Thiel, um controverso investidor norte-americano e forte apoiante do presidente dos EUA, Donald Trump.

Ora, depois de a rede social concorrente Twitter ter dado um passo no sentido de bloquear toda a publicidade política na plataforma, o Facebook sentiu a necessidade de voltar a justificar a decisão.

No comunicado, a rede social reitera a decisão de não impedir a informação falsa na plataforma: “Tem havido muita discussão nos últimos meses sobre anúncios políticos na internet e abordagens diferentes que têm sido tomadas pelas empresas. Apesar de o Twitter ter decidido bloquear os anúncios políticos e de a Google ter optado por limitar a segmentação de publicidade política, nós optámos por expandir a transparência e permitir que as pessoas tenham mais controlo quando se trata de anúncios políticos.” Desconhece-se o impacto financeiro que travar a publicidade política teria na rede social.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Facebook recusa banir propaganda. Mas vai permitir optar por ver menos anúncios políticos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião