Uber despede 30% dos trabalhadores do Centro de Excelência em Lisboa

A Uber Portugal tem em curso um plano para despedir 30% dos 500 trabalhadores do Centro de Excelência em Lisboa. Estarão em causa cerca de 150 pessoas.

A Uber tem em curso um plano para despedir mais de uma centena de trabalhadores em Portugal. Em causa está um corte de cerca de 30% nos 500 trabalhadores do Centro de Excelência da empresa em Lisboa.

O impacto da pandemia a um nível central forçou a administração a acelerar o caminho para a rentabilidade e a avançar com despedimentos em vários países. A decisão também abrange Portugal, onde a empresa instalou em Lisboa, em 2017, um centro operacional que presta apoio a vários países e em diversos idiomas.

A Uber já começou a notificar os trabalhadores afetados por esta decisão e alguns destes terão sido informados por videoconferência, devido ao regime de teletrabalho imposto pela pandemia. O número de trabalhadores afetados deverá, assim, rondar os 150.

Confrontada com esta informação, fonte oficial da Uber Portugal explicou que “foi uma decisão muito difícil, mas necessária para ajudar a proteger a sustentabilidade a longo prazo da empresa”. “Apoiaremos todos os colaboradores afetados por estas mudanças e reforçamos o nosso compromisso com o crescimento do nosso negócio em Portugal”, disse a mesma fonte.

No início de maio, o The Wall Street Journal revelou que a Uber se preparava para cortar 3.700 postos de trabalho, cerca de 14% do total, depois de um período de vários meses em que o negócio do transporte privado estive praticamente paralisado por causa da pandemia. Em meados de maio, o mesmo jornal avançou que os despedimentos irão abranger outros 3.000 trabalhadores em todo o mundo.

Já este mês, em entrevista ao ECO e à revista Pessoas, o diretor-geral da Uber Portugal, Manuel Pina, reconheceu o impacto da incerteza no negócio. “O compromisso de contratar em 2020 ainda não mudou, mas vivemos tempos muito incertos”, afirmou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber despede 30% dos trabalhadores do Centro de Excelência em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião