Indaqua quer reduzir perdas de água em Gaia. Uma poupança de dois milhões

A celebração deste contrato entre a Indaqua e as Águas de Gaia vai permitir reduzir drasticamente as perdas de água e poupar cerca de dois milhões de euros.

A Indaqua anunciou que celebrou um contrato com as Águas de Gaia que tem como objetivo aumentar a eficiência hídrica da rede de água do município e diminuir as perdas não faturadas, o que irá corresponder a uma poupança de dois milhões de euros.

“O contrato, celebrado entre as Águas de Gaia e a Indaqua, em consórcio com a Suez, terá a duração de cinco anos e prevê a implementação de medidas conducentes à redução da Água Não Faturada (ANF) para menos de 20% e das perdas para valores da ordem dos 10% e com previsão de ganhos líquidos acumulados para as Águas de Gaia superiores a dois milhões de euros”, explica o grupo.

Para o CEO do grupo Indaqua, Enrique Castiblanques, este é um setor no qual o país apresenta resultados “muito aquém dos esperados”. Em 2018, a média nacional de perdas de água foi aproximadamente de 30% enquanto nas concessões da Indaqua as perdas foram abaixo dos 20%. Em 2018, as perdas chegaram aos 14%, menos de metade da média nacional.

“Se o país tivesse o mesmo nível de desempenho (perdas globais da ordem dos 15%) não teriam sido perdidos, só nesse ano, 123 milhões de m3 de água e haveria um ganho económico global (correspondente à redução de perdas reais e perdas comerciais) na ordem de 150 milhões por ano – o suficiente para construir cerca de dois mil quilómetros de rede”, explica a Indaqua, em comunicado.

Este novo modelo de contrato, junta-se aos anteriormente celebrados com o município da Maia e com os municípios da região de Aveiro (ADRA). Segundo a Indaqua, os ganhos em eficiência na gestão das redes “traduzem-se em vantagens imediatas para a entidade gestora ao nível da sustentabilidade financeira e ambiental, mas também para os consumidores, ao nível da qualidade da água fornecida e na fiabilidade do serviço”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Indaqua quer reduzir perdas de água em Gaia. Uma poupança de dois milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião