Iberdrola lança OPA amigável à australiana Infigen Energy por 510 milhões

Liderada por Ignacio Galán, a elétrica espanhola Iberdrola fará este ano um investimento de 10.000 milhões este ano.

A Iberdrola informou esta quarta-feira a Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola (CNMV) que lançou uma oferta pública de aquisição amigável à empresa australiana de energia renovável Infigen Energy por 510 milhões de euros. A elétrica espanhola considera a Austrália como “um novo mercado prioritário”, referiu a empresa em comunicado. Esta é já a quarta operação de aquisição em seis meses, depois da compra de 100% do parque eólico offshore francês Saint-Brieuc, da empresa francesa Aalto Power e de dois projetos eólicos na Escócia.

A Iberdrola propõe-se a pagar 0,86 dólares australianos (0,522 euros) por ação da Infigen, o que representa um prémio de 5% face à cotação de fecho da última sessão. Na bolsa australiana, os títulos reagiram aproximando deste valor: disparam 7,32% para 0,88 dólares australianos (0,54 euros).

Já as ações da Iberdrola ganha 0,1% para 10,02 na bolsa de Espanha. Liderada por Ignacio Galán, a Iberdrola fará este ano um investimento de 10.000 milhões este ano.

Esta OPA amigável da empresa espanhola conta com o apoio do conselho de administração da Infigen Energy e do seu principal acionista, TCI Fund Management, que detém 33% das ações.

A australiana detém mais de 670 megawatts (MW) de energia eólica – distribuídos por sete parques – já em funcionamento e um portfólio de projetos de 1 gigawatt (GW) em diferentes estágios de desenvolvimento.

Com cerca de 80 trabalhadores, a empresa também fornecerá à Iberdrola outros 560 MW a operar através de vários ativos próprios, arrendados ou com capital próprio, incluindo energia adquirida através de quatro contratos de aquisição de energia (245 MW) ou baterias de armazenamento (75 MW).

Com esta operação, a Iberdrola ficará com quase 1.000 MW de capacidade instalada no sul da Austrália. No mercado renovável australiano, a espanhola está também a desenvolver um projeto híbrido eólico-solar em Port Augusta com capacidade de 320 MW: um parque eólico de 210 MW e uma central fotovoltaica de 110 MW. Com um investimento aproximado de quase 310 milhões de euros, as obras deste complexo terão início no final deste ano e espera-se que esteja operacional ao longo de 2021. A compra da Infigen permitirá a venda da energia produzida por este projeto a clientes industriais australianos.

A 12 de maio a Iberdrola anunciou a compra de dois projetos eólicos na Escócia, que totalizam 165 MW de capacidade e cujo desenvolvimento envolverá um investimento de cerca de 190 milhões de euros. Com esta operação, a subsidiária da Iberdrola no Reino Unido, a ScottishPower, poderá desenvolver seu terceiro maior complexo eólico do país, com 220 MW de capacidade, uma vez que, aos 165 MW agora adquiridos, adicionará ainda 55 MW de outro parque vizinho que está a ser reativado. O desenvolvimento deste projeto exigirá um investimento global de cerca de 250 milhões de euros, para fornecer energia verde a quase 135.000 casas.

Também em maio, a elétrica notificou também a CNMV da aquisição da empresa francesa Aalto Power por pouco mais de 100 milhões de euros. Fundada em 2005 e com sede em Marselha, a Aalto Power adicionou à Iberdrola 118 MW de energia eólica onshore já em operação e um portfólio de projetos eólicos naquele país, somando mais 636 MW que estão em diferentes estágios de desenvolvimento.

Em março, a Iberdrola adquiriu 100% do capital do parque eólico francês Saint-Brieuc, o que envolverá um investimento de aproximadamente 2.500 milhões de euros. Os 496 MW de potência desta central, que iniciará a construção em 2021, entrarão em operação em 2023, gerando energia limpa suficiente para satisfazer o consumo de eletricidade de cerca de 835.000 pessoas. Localizado na Bretanha, a cerca de 16 quilómetros da costa, o parque Saint-Brieuc terá 62 turbinas Siemens Gamesa, cada uma com 8 MW de potência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Iberdrola lança OPA amigável à australiana Infigen Energy por 510 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião