Pandemia deverá provocar primeira queda de energias renováveis em 20 anos

  • Lusa
  • 20 Maio 2020

A queda na produção de novas instalações será particularmente pronunciada na Europa, onde poderá ir até menos um terço do que o previsto, alerta a AIE.

A Agência Internacional da Energia (AIE) prevê que 2020 registe a primeira queda na produção de instalações de energias renováveis nos últimos 20 anos, responsabilizando os atrasos provocados pela crise sanitária.

No relatório anual divulgado esta quarta-feira, a agência, ligada à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), calcula que este ano se registe uma descida de 13% nas novas instalações renováveis de produção elétrica ligadas à rede, o que representaria menos 20% do que era antecipado antes dos efeitos da pandemia.

De acordo com a AIE, a quebra explica-se pelos atrasos na construção provocados pelo confinamento e pelas medidas de distanciamento social, além do aumento dos custos e dificuldades financeiras para prosseguir com os projetos.

A queda na produção de novas instalações será particularmente pronunciada na Europa, onde poderá ir até menos um terço do que o previsto, após um ano “excecional” em 2019, alertou a agência, sediada em Paris.

A pandemia também afetou o mercado dos biocombustíveis, informou a AIE, já que a contração do consumo de carburantes, de -9% no caso da gasolina e -6% do gasóleo, e a queda do preço do barril de petróleo, os tornou menos competitivos.

Por essa razão, os biocombustíveis deverão registar uma queda de 13% em 2020, segundo a agência.

As previsões da AIE juntam-se aos avisos do Fórum Económico Mundial (FEM), que alertou em 13 de maio para eventuais retrocessos à escala global na transição energética para energias mais limpas, devido à pandemia de Covid-19.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de Covid-19 já provocou mais de 320 mil mortos e infetou quase 4,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 1,7 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou agora a ser o que tem mais casos confirmados (mais de 2,1 milhões contra mais de 1,9 milhões no continente europeu), embora com menos mortes (quase 128 mil contra mais de 168 mil).

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num “grande confinamento” que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia deverá provocar primeira queda de energias renováveis em 20 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião