Fronteiras começam a abrir. Mas que países é que os portugueses podem visitar?

As fronteiras da União Europeia começam a ser abertas, mas ainda há países com receios relativamente aos portugueses. Há quem imponha quarentena e até mesmo quem feche a porta aos turistas lusos.

As fronteiras da União Europeia (UE) começam a abrir, inclusive as de Portugal, mas ainda há países que estão receosos quanto aos portugueses. Há quem peça um comprovativo, um teste de rastreio à chegada, quarentena de duas semanas, e há mesmo quem prefira não arriscar e não abrir portas de todo. E tudo porque o aumento de casos de coronavírus que se tem vindo a registar na capital portuguesa tem deixado em alerta vários países.

Começou com a Áustria a anunciar fronteiras abertas para 31 países, deixando de fora Portugal. Atrás foi a Dinamarca e, à segunda, Portugal prometeu responder na mesma moeda. O Ministério dos Negócios Estrangeiros afirmou que estas decisões tinham sido tomadas “ao arrepio das decisões tomadas pela União Europeia”, que propôs a reabertura gradual das fronteiras externas a 1 de julho. E que a resposta do Governo português seria aplicar o “princípio da reciprocidade”.

Contudo, António Costa afastou retaliações contra países que limitam entradas a partir de Portugal. “Não é pratica de Portugal fazer retaliações, nem é pratica de Portugal ter esse tipo de visões”, disse o primeiro-ministro, não deixando de criticar a postura desses países que olham para dados sobre as infeções por Covid-19 de forma errada.

António Costa afirmou que “é preciso saber como comparar os dados do ponto de vista internacional”, porque “não se podem comparar o número de casos positivos ou negativos sem ter em conta o número de testes que cada país realiza”. E respondeu individualmente a vários dos países que aplicaram estas restrições aos turistas lusos. “Eu respeito todos os países, mas os países que têm um terço ou metade dos testes feitos em Portugal não se podem comparar com Portugal”, disse.

Vai viajar? Saiba que o que estão a fazer os vários países europeus

Nestes países, fronteiras estão mesmo fechadas para os portugueses

Áustria

A Áustria levantou na madrugada de 16 de junho as restrições de viagem com 31 países europeus, mas manteve-as com Portugal, Reino Unido, Suécia e Espanha, anunciou o ministro dos Negócios Estrangeiros austríaco. De acordo com o Governo daquele país, Espanha continua de fora devido ao facto de o Governo espanhol ter decidido abrir as fronteiras apenas a 1 de julho. Já quanto a Portugal, Reino Unido e Suécia, esta decisão foi justificada pelo facto de se tratar de países onde a taxa de propagação do coronavírus “não permite uma abertura”.

Dinamarca

A partir de 27 de junho já vai ser possível viajar para a Dinamarca, mas apenas para quem vier de países com um baixo número de infeções por coronavírus, excluindo imediatamente Portugal e Suécia. De acordo com os critérios do Governo dinamarquês, se um país registou menos de 20 casos por 100.000 pessoas na semana anterior é classificado como “aberto”, se registou menos de 30 casos é classificado como país de “quarentena” e se registou acima de 30 casos é classificado como “fechado”. Esta proibição, diz o embaixador da Dinamarca em Portugal, poderá ser revertida mais no final do mês.

Eslováquia

O Governo da Eslováquia abriu as fronteiras externas, sem qualquer restrição, a cidadãos vindos da Bulgária, Chipre, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, Grécia, Croácia, Islândia, Liechtenstein, Lituânia, Letónia, Hungria, Malta, Alemanha, Noruega, Áustria, Eslovénia e Suíça. Quanto aos restantes países, incluindo Portugal, a Eslováquia e a Polónia, entrar no país não é ainda permitido.

Eslovénia

A Eslovénia deixa entrar no país, sem qualquer tipo de restrição, os turistas vindos da Croácia, Hungria, Áustria, Bulgária, Chipre, República Checa, Estónia, Finlândia, Alemanha, Grécia, Islândia, Letónia, Lituânia, Liechtenstein, Noruega, Eslováquia, Suíça e Itália. Contudo, de fora ficaram países como Portugal, que continuam a não poder “enviar” turistas.

Hungria

O Governo húngaro decidiu permitir a entrada de cidadãos da República Checa, Áustria, Alemanha, Eslováquia, Sérvia, Eslovénia e Croácia sem ser necessária a realização de quarentena. Para os restantes visitantes, incluindo portugueses, “normalmente a entrada não é permitida”, refere o site ReOpen. Cidadãos da Bélgica poderão entrar na Hungria por razões especiais, como viagens de negócios.

Malta

Viajar para Malta continua a ser proibido e assim vai ser até 30 de junho, contudo, já foram estabelecidos corredores turísticos com certos países, refere o site ReOpen. O aeroporto de Malta vai reabrir a 1 de junho com voos para 19 destinos, aos quais foram acrescentados outros seis mais recentemente, à medida que vão evoluindo os casos em cada país. Contudo, Portugal não está em nenhuma destas listas. As restrições acabam a 15 de julho, o que significa que, até lá, os portugueses não podem viajar para esta ilha.

Entrar nestes países requer quarentena à chegada

Bulgária

A Bulgária decidiu abrir portas a vários países, incluindo Itália e Espanha. Contudo, deixou limitações a Portugal, Bélgica, Suécia e Reino Unido. De acordo com o site ReOpen, criado pela Comissão Europeia, turistas vindos destes quatro países estão obrigados a fazer quarentena de 14 dias. Já os países que não estão obrigados a esta restrições têm de apresentar uma declaração com as medidas adotadas pelo país de origem.

Estónia

O Governo da Estónia abriu as fronteiras no dia 1 de junho, permitindo a entrada de pessoas sem sintomas vindas de países da União Europeia, Espaço Schengen ou Reino Unido. Contudo, o critério para a “luz verde” tem a ver com o número de casos registados no país de origem. Assim, só são permitidos turistas que venham de países com menos de 25 casos de coronavírus por cada 100.000 habitantes nos últimos 14 dias. Para países com mais de 15 casos por cada 100.000 habitantes a entrada é permitida, mas com quarentena obrigatória de duas semanas. Como Portugal tem registado cerca de 20 casos por cada 100.000 habitantes, fica obrigado a quarentena obrigatória se viajar para a Estónia.

Finlândia

A Finlândia abriu as fronteiras aos turistas da Dinamarca, Estónia, Islândia, Letónia, Lituânia e Noruega desde 15 de junho, acabando com o controlo nas fronteiras para esses países, assim como a necessidade de fazerem quarentena quando chegam ao país, refere o site Visit Finland. Relativamente aos restantes países, o Governo finlandês permite viagens essenciais, como em trabalho ou motivos familiares, aos turistas da UE, do Espaço Schengen e do Reino Unido, contudo, estes têm de cumprir uma quarentena de 14 dias após a chegada, o que incluiu os portugueses. Para visitantes de países de fora da UE, a entrada na Finlândia está proibida pelo menos até 14 de julho.

Irlanda

O Governo irlandês recomenda que sejam evitadas as viagens que não sejam essenciais, de e para a Irlanda. Os visitantes que viajem de qualquer país estrangeiro para a Irlanda, incluindo cidadãos irlandeses, são obrigados a preencher um formulário de localização e terão de fazer quarentena durante 14 dias, uma medida que também se aplica aos portugueses.

Letónia

Letónia, Lituânia e Estónia concordaram em permitir a livre circulação dos seus cidadãos entre os três países e retomar o transporte entre cada um a partir de 15 de maio. Mas o Governo vai avaliar cuidadosamente a necessidade dos cidadãos viajarem para fora do país. De acordo com o site Latvia Travel, desde 3 de junho que os cidadãos da UE, do Espaço Schengen e Suíça podem viajar para a Letónia sem a necessidade de fazerem uma quarentena obrigatória de 14 dias, mas desde que nos últimos 14 dias não se tenham excedido os 15 casos por cada 100.000 habitantes — o que exclui Portugal —, ou então que tenham passado os últimos 14 dias na Estónia ou na Lituânia.

Lituânia

Na Lituânia aplica-se a mesma regra que na Letónia e Estónia: cidadãos que venham de países com menos de 15 casos por cada 100.000 habitantes podem entrar no país sem necessidade de fazer quarentena, com 15 a 25 casos terão de fazer quarentena. Tendo em conta os números em Portugal, os portugueses serão obrigados a uma quarentena de 14 dias quando chegam à Lituânia.

Roménia

Desde 15 de junho que a Roménia abriu as fronteiras a visitantes vindos da Áustria, Bulgária, República Checa, Chipre, Croácia, Suíça, Alemanha, Grécia, Islândia, Letónia, Liechtenstein, Lituânia, Malta, Noruega, Eslováquia, Eslovénia e Hungria, sem precisarem de fazer quarentena. Para os turistas vindos de outros países, incluindo Portugal, é obrigatória uma quarentena de 14 dias.

Para entrar, precisa de fazer um teste de rastreio à chegada

República Checa

Na República Checa, o Governo decidiu permitir a livre circulação de turistas de acordo com o número de casos registado nos países de origem. Assim, desde 15 de junho, cada país da União Europeia ou Espaço Schengen foi pintado com uma cor, equivalente ao nível de transmissão da doença. De acordo com o site do Turismo da República Checa, a cor verde significa “baixo risco” e conta com 27 países, entre os quais Espanha; laranja significa “risco médio” e tem a Bélgica e o Reino Unido identificados; vermelho significa “alto risco” e é onde estão, entre outros, Portugal e a Suécia. Assim, os portugueses que queiram viajar para a República Checa devem apresentar um teste recente com resultado negativo.

Grécia

O Governo grego decidiu que, até 30 de junho, todos os turistas vindos de Itália, Espanha, Holanda, Suécia e países considerados de “alto risco” pela Agência Europeia para a Segurança da Aviação (AESA) estão obrigados a realizar um teste de rastreio ao coronavírus à chegada ao aeroporto de Atenas. Assim, os portugueses que queiram viajar para território grego estão obrigados a este teste. Além disso, é necessário passar pelo menos uma noite no país. Se o resultado for negativo, o turista pode viajar livremente até ao destino final. Se for positivo, ficará sob quarentena obrigatória — supervisionado — durante 14 dias, refere o site ReOpen. Contudo, aos viajantes que venham de países considerados seguros também serão feitos testes de rastreio de forma aleatória.

…ou apresentar um comprovativo

Chipre

O Chipre está a permitir a entrada de turistas vindos de dois grupos de países que o próprio Governo criou. Na Lista A, com total permissão para entrar, estão 19 países como a Áustria, Bulgária, Croácia, ou República Checa. Na Lista B, que obriga a um teste negativo feito nas 72 horas anteriores, estão Israel, Polónia e Roménia. Portugal não consta em nenhuma destas listas e, por isso, de acordo com o site ReOpen, os portugueses que queiram viajar para o Chipre apenas o poderão fazer “em casos excecionais e após aprovação prévia do Governo” daquele país.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fronteiras começam a abrir. Mas que países é que os portugueses podem visitar?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião