Novo pacote de apoios da União Europeia não será inferior a 20 a 21 mil milhões de euros

  • Lusa
  • 22 Junho 2020

O ministro explicou que o apoio para os próximos sete anos ainda está em discussão e, “em princípio, no mês de julho haverá decisões políticas dos líderes que permitirão trabalhar até ao final do ano"

O ministro do Planeamento anunciou esta segunda-feira, em Nelas, que o novo pacote plurianual da união Europeia (UE) para os próximos sete anos, entre 2021 e 2027, que terá um valor “nunca inferior a 20 a 21 mil milhões de euros”.

“Há muitas questões do lado do financiamento da operação, mas uma coisa é certa, é que ao quadro financeiro plurianual que vamos dispor terá, de grosso modo, um valor que andará à volta, seguramente e nunca inferior aos 20 a 21 mil milhões de euros para os próximos sete anos, 2021 a 2027”, anunciou Nelson de Souza.

Há muitas questões do lado do financiamento da operação, mas uma coisa é certa, é que ao quadro financeiro plurianual que vamos dispor terá, de grosso modo, um valor que andará à volta, seguramente e nunca inferior aos 20 a 21 mil milhões de euros para os próximos sete anos, 2021 a 2027.

Nelson Souza

Ministro do Planeamento

Perante uma plateia de empresários, mesmo admitindo que “esperava ser só uma conferência de imprensa”, o ministro acabou por dizer que escolheu Nelas para “apresentar contas do Programa 2020”, mas também para anunciar o novo programa de apoio, “pelas dinâmicas positivas das empresas da região” onde os empresários mostram a sua “resiliência, porque apesar do vírus ainda andar por aí, só falam em investimento e futuro”.

Nelson de Souza contou que, na sexta-feira, realizou-se um Conselho Europeu para se decidir sobre o quadro financeiro plurianual e também sobre o novo plano para a recuperação e resiliência que a UE propôs decidir e aprovar para a crise decorrente da Covid-19.

Neste sentido, o governante assumiu que “podia transmitir uma certeza: é que esse plano de recuperação e resiliência vai existir, que vai ter uma dimensão significativa”, os 20 a 21 mil milhões de euros, apesar de “o seu volume certo e preciso ainda ser uma matéria que está em discussão”.

“Podem existir variações e existem um sem número de precisões que não estão ainda estabelecidas e que muito podem determinar a finalidade, o seu uso, prazo e muitas questões relacionadas com o empréstimo que vai ser usado para o seu financiamento ou de como vai ser liquidado”, avisou.

O ministro explicou que o apoio para os próximos sete anos ainda está em discussão e, “em princípio, no mês de julho haverá decisões políticas dos líderes que permitirão trabalhar até ao final do ano para definir o quadro todo”.

“A partir de janeiro de 2021 havemos de ter condições para definir regras e podermos apresentar os apoios, mas muito antes disso, temos de discutir na nossa sociedade o que é que queremos ser no futuro e quais são as nossas prioridades”, explicou Nelson de Souza que alertou que “é muito importante chegar a um consenso” na sociedade.

Podem existir variações e existem um sem número de precisões que não estão ainda estabelecidas e que muito podem determinar a finalidade, o seu uso, prazo e muitas questões relacionadas com o empréstimo que vai ser usado para o seu financiamento ou de como vai ser liquidado.

Nelson Souza

Ministro do Planeamento

Até porque, explicou, o apoio financeiro vem com “três grandes imposições da UE”, sendo que “duas delas, facilmente são” de Portugal como é o caso da “transição digital e a ação climática e transição energética”.

“A terceira que é da UE, mas também deve ser nossa, que é a autonomia europeia” no que diz respeito à produtividade, uma vez que o governante considerou que, “mais do que uma restrição, constitui oportunidade” decorrente da pandemia que ainda se vive.

“É a necessidade da consolidação da autonomia estratégica da UE em torno da garantia de sermos, espaço europeu, capazes de assegurar a nossa sobrevivência enquanto espaço forte e competitivo e como tal independente, sobretudo em contextos de crise, num contexto mundial”, esclareceu.

Nelson de Souza fez-se acompanhar, ao longo do dia, pelo secretário de Estado do Planeamento, José Gomes Mendes, o do secretário de Estado da Saúde, António Sales, o secretário e Estado do Desporto, João Paulo Rebelo, e o adjunto da Economia, João Neves.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo pacote de apoios da União Europeia não será inferior a 20 a 21 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião