Altice Portugal vai instalar 4G dentro de uma mina

A dona da Meo e a Somincor estabeleceram uma parceria para levar rede 4G aos mais de 90 quilómetros de túneis da mina de Neves-Corvo. Solução vai permitir localizar e operar remotamente as máquinas.

A Altice Portugal vai instalar uma rede de comunicações móveis de quarta geração dentro da mina de Neves-Corvo, em Castro Verde. O projeto, que abrange a cobertura com 4G de “mais de 90 quilómetros de túneis desta estrutura”, foi acordado entre a Altice Empresas e a Somincor, uma subsidiária da Lundin Mining, que é a companhia responsável pela exploração da mina.

“Com o objetivo de responder aos permanentes desafios do setor mineiro, nomeadamente a melhoria da segurança dos seus colaboradores e a necessidade de coordenação permanente sobre as operações realizadas por máquinas e equipas no subsolo, esta parceria entre a Somincor e a Altice Empresas reforça a aposta da Lunding Mining na modernização e invocação tecnológica”, anunciaram os dois grupos num comunicado conjunto.

O montante envolvido neste investimento não é revelado. Para levar a cabo este projeto estão a ser estudadas duas frequências distintas “conforme a área a cobrir”. “A solução apresentada contempla ainda o fornecimento de uma rede core local redundante para garantia de elevada autonomia, menor latência e segurança total”, garantem as empresas.

O foco está na melhoria de três pilares da atividade mineira: a “segurança operacional”, o “aumento da eficiência e produtividade” e a “redução de custos”. “A nova rede de transmissão de dados irá permitir à Somincor localizar e monitorizar remotamente e em tempo real a operação automatizada das máquinas no interior da mina de Neves-Corvo“, acrescentam as empresas.

Localizada no distrito de Beja, o jazigo da mina de Neves-Corvo foi identificado pela primeira vez em 1971 e o início da exploração dos depósitos iniciou-se em 1989. Desta mina, a Somincor extrai milhares de toneladas de cobre, zinco e chumbo todos os anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice Portugal vai instalar 4G dentro de uma mina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião