Bolsa de Lisboa ganha mais uma cotada. SIGI da Sonae e Bankinter chega a valer 50,2 milhões

Esta é a primeira sociedade de investimento e gestão imobiliária a cotar na bolsa portuguesa. Cada ação vai entrar, na próxima quarta-feira, a valer quatro euros.

A bolsa de Lisboa vai ganhar mais uma cotada. A Ores — a primeira sociedade de investimento e gestão imobiliária (SIGI) em Portugal — vai ser admitida à negociação na quarta-feira. Com um preço inicial de quatro euros por cada uma das 12,55 milhões de ações que serão cotadas, a empresa chega com uma capitalização bolsista de 50,2 milhões de euros.

A Olimpo Real Estate Portugal (ou Ores Portugal) tornou-se na primeira SIGI criada em Portugal em dezembro de 2019 e resulta de uma parceria entre o Bankinter (que opera como gestor estratégico do veículo) e a Sonae Sierra (que é a gestora do portefólio de imobiliário da empresa).

O regime das SIGI obriga a que o veículo entre em bolsa até um ano após ser constituído. Apesar da pandemia, a Ores decidiu fazê-lo já, segundo anunciou esta terça-feira a Euronext em comunicado. A sociedade é, atualmente, detida em 12% pelo Bankinter e 5,14% pela Sonae Sierra, sendo que 83% do capital seria disperso em bolsa. Isabel Ucha, CEO da Euronext Lisbon, considera que a admissão “demonstra o contínuo compromisso e confiança dos parceiros na economia portuguesa”, sublinhando esperar que “permita à empresa aplicar a sua estratégia de investimento em Portugal, inovando e expandindo o seu negócio”.

O objetivo da empresa é criar uma carteira de gestão de ativos superior a 200 milhões de euros. Alexandre Fernandes, head of asset management Europe da Sonae Sierra, sublinha que “a criação da primeira SIGI em Portugal e a sua subsequente entrada em bolsa são passos muito importantes para a Sonae Sierra, enquadrando-se na estratégia de aumento de exposição a novos veículos de investimento imobiliário”, acrescentando esperar que a iniciativa e com a parceria estratégica com o Bankinter, que vai certamente permitir dinamizar o mercado de capitais e o mercado de investimento imobiliário português.”

Apesar de já haver uma sociedade de investimento e gestão imobiliária na bolsa portuguesa — a Merlin Properties —, esta empresa só tem esta categoria em Espanha e não em Portugal. Assim, esta é a primeira vez que a bolsa portuguesa tem uma SIGI, um veículo popular noutros países. Só nos índices geridos pelo grupo Euronext, há cerca de 100 emitentes do setor, representando uma capitalização bolsista aproximada de 84 mil milhões de euros.

“A entrada da Ores em bolsa demonstra que o Bankinter continua a disponibilizar em Portugal serviços e instrumentos financeiros inovadores, alargando o leque de opções de investimento disponíveis para os nossos clientes e para o público em geral. Esta operação, pioneira em Portugal, reafirma também o nosso compromisso com o desenvolvimento económico do país e representa um contributo importante para a dinamização de um dos seus setores mais relevantes”, acrescenta Alberto Ramos, country manager do Bankinter Portugal.

(Notícia atualizada às 7h46 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa de Lisboa ganha mais uma cotada. SIGI da Sonae e Bankinter chega a valer 50,2 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião