Há novas medidas para combater o vírus na Grande Lisboa. Saiba o que muda hoje

O Governo anunciou novas restrições para a Grande Lisboa, onde a Covid-19 tem vindo a ganhar terreno em 15 freguesias de cinco concelhos da região. Conheça-as.

Lisboa, Sintra, Odivelas, Loures e Amadora. Num mês, metade do total de novos casos de infetados surgiram nestes locais.Hugo Amaral/ECO

A Grande Lisboa continua a registar a maioria dos novos casos de coronavírus, levando o Governo a tomar medidas adicionais para travar a propagação do surto nesta zona do país. As autoridades têm vindo a garantir que a pandemia não está descontrolada e que as zonas mais afetadas estão bem identificadas, tendo anunciado uma série de medidas excecionais para os cidadãos e estabelecimentos nesta região.

  • Proibidos ajuntamentos de mais de dez pessoas. O Governo repôs o limite máximo de dez pessoas em ajuntamentos na Grande Lisboa, no sentido de combater a realização de eventos e de festas ilegais.
  • Mais policiamento nas ruas. As autoridades policiais vão reforçar a presença na rua e não somente numa lógica pedagógica. Esse será o objetivo principal, mas haverá margem para “atuar em caso de necessidade”, nomeadamente aplicando coimas a quem não cumpra as regras.
  • Estabelecimentos comerciais da Grande Lisboa fecham às 20h00. O Governo decidiu reduzir o horário de funcionamento das lojas, cafés e outros estabelecimentos. Só vão poder estar abertos até às 20h00, exceto os restaurantes que sirvam refeições.
  • Proibida a venda de bebidas em áreas de serviço. É proibido a venda de bebidas alcoólicas nas áreas de serviço, como é o caso das gasolineiras. A compra de bebidas alcoólicas durante a noite em postos de combustíveis ganhou expressão na fase de reabertura, uma vez que estes estabelecimentos, geralmente, funcionam em horários mais alargados. Será também reforçada a proibição de consumo de bebidas na via pública, fora dos espaços licenciados.
  • Reforçada fiscalização da circulação nos shoppings. Será apertada a fiscalização à circulação de pessoas dentro dos centros comerciais, onde é obrigatório o uso de máscara de proteção facial.

O coronavírus está a ganhar terreno em 15 freguesias de cinco concelhos da área metropolitana de Lisboa, anunciou o Governo esta segunda-feira, sem especificar quais. O problema incide nos concelhos de Lisboa, Sintra, Odivelas, Loures e Amadora, sendo que estas zonas vão também permanecer em estado de calamidade após quinta-feira, dia em que o Conselho de Ministros reavaliará a situação pandémica para todo o território nacional.

O Governo justifica a decisão com a necessidade de evitar os eventuais prejuízos do levantamento de uma cerca sanitária, “isolando” efetivamente as pessoas destas localidades. O desrespeito de algumas normas poderá constituir crime de desobediência.

Segundo anunciou o primeiro-ministro, vão também ser adotadas medidas específicas de reforço da fiscalização de estaleiros de construção civil e do transporte de trabalhadores. Segundo António Costa, estas medidas têm em conta “a elevada prevalência de contaminação entre os trabalhadores” deste setor.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há novas medidas para combater o vírus na Grande Lisboa. Saiba o que muda hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião