Paddy Cosgrave: “O mundo tem de saber que há muito Portugal para além de Lisboa”

Web Summit vai acontecer, por todo o país, em "palcos" que funcionarão em simultâneo. Objetivo é dar a conhecer melhor o país, explica o CEO do evento.

Paddy Cosgrave vê a edição online e offline do Web Summit, anunciada esta quarta-feira, como uma oportunidade para dar a conhecer melhor Portugal além de Lisboa. Numa conferência de imprensa online, a partir da plataforma criada pela empresa para levar a cabo o Collision from home — que deveria decorrer, nesta altura, no Canadá –, o CEO da maior conferência de tecnologia e empreendedorismo do mundo referiu que a edição deste ano contará com um palco dedicado a Portugal e ao ecossistema empreendedor nacional e sublinhou que o evento decorrerá, em simultâneo, de várias partes do país.

Não queremos só criar um estúdio em Lisboa, mas ir ao Porto, Coimbra, Faro, e fazer algo em simultâneo. O mundo tem de saber que há muito Portugal para além de Lisboa e, por isso, estamos a pensar em como fazê-lo”, assinalou o irlandês, sublinhando que “quaisquer que sejam as limitações, quero que a edição deste ano possa andar por Portugal. Em dezembro, será incrível que o mundo veja e possa conhecer um pouco mais de todo o país”.

A organização do Web Summit anunciou esta manhã, em comunicado, que o evento vai realizar-se este ano numa versão offline, a partir de Portugal, e online. A empresa dona do Web Summit anunciou ainda o adiamento da conferência de novembro para 2 a 4 de dezembro.

Quanto ao número de pessoas esperadas em Lisboa, Paddy Cosgrave assinalou que, apenas em outubro poderá ser estimada a lotação “recomendada pelas autoridades de saúde” e que “pode mudar todas as semanas” até ao evento.

Online, o novo modelo

Desde terça-feira que a equipa do Web Summit tem levado a cabo a sua primeira conferência online, o Collision from home, que deveria decorrer a partir de Toronto, no Canadá. A organização das conferências construiu, nas últimas oito semanas, o software que permite a transmissão online do evento, numa lógica de dois ecrãs: smartphone (app) e desktop (plataforma de streaming, onde também decorreu esta conferência de imprensa).

“O nosso maior desafio é que no nosso caso, os nossos assistentes sublinham sempre a oportunidade de as pessoas se poderem encontrar. Perguntámo-nos como poderíamos replicar parte dessa magia offline num ambiente online. Este (Collision) é o nosso demo day de uma plataforma online para eventos”, afirmou o irlandês. “Esperamos que esta plataforma que começámos agora possa ser usada por alguns dos nossos parceiros, instituições e ONG’s por todo o mundo”, afirmou ainda.

De acordo com Paddy Cosgrave, uma das novidades trazidas pela edição do Collision from home passam por uma alteração no perfil dos assistentes, sobretudo pela menor necessidade de investimento. “O padrão de participação é diferente, uma vez que não exige deslocações geográficas nem gastos com hospedagem”, assinalou o CEO do Web Summit. Outra “surpresa” foi o uso dos vídeos one to one, através da plataforma online. Para Paddy Cosgrave, “o futuro das conferências é híbrido”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paddy Cosgrave: “O mundo tem de saber que há muito Portugal para além de Lisboa”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião