Estas empresas estão a despedir por causa da crise. Já há mais 100 mil sem emprego

As menores perspetivas de negócio por causa da pandemia levaram algumas empresas a cortar no pessoal. Sustentabilidade dos negócios é a principal justificação.

Galp, Super Bock e Uber são algumas das empresas que estão a cortar pessoal por causa da pandemia.Montagem por Ana Raquel Damas/ECO

O que começou como um problema sanitário rapidamente se transformou numa crise económica sem precedentes. A pandemia do coronavírus paralisou a atividade de muitas empresas, atirando a economia global para uma recessão. E há já milhares de trabalhadores empurrados para o desemprego.

Dados do Governo apontam para mais de 100 mil novos desempregados (para um total de quase 400 mil) inscritos nos centros de emprego desde meados de março, altura em que foi decretado o estado de emergência. O número só não é superior graças ao regime de lay-off, do qual beneficiaram pelo menos 800 mil de trabalhadores desde o final de março.

Estes aumento do número de desempregados é ainda uma pequena parte do que se prevê irá acontecer. O Executivo prevê fechar o ano com uma taxa de desemprego de 9,6%, com um aumento dos despedimentos nos próximos meses. E esses começam a ser revelados, aos poucos.

Se muitos dos despedimentos são resultado de negócios que não aguentaram a crise, encerrando as portas definitivamente, também há outros que resultam do facto de as empresas estarem já a ajustar-se para enfrentarem os tempos desafiantes que se adivinham. Mesmo algumas das maiores empresas estão a anunciar a saída de colaboradores.

Galp corta 3% com rescisões e pré-reformas

Duplamente “apanhada” pela pandemia, que prejudicou a economia como um todo e resultou numa menor procura por combustíveis, a Galp Energia deu início a um programa de rescisões e pré-reformas. A intenção do grupo presidido por Carlos Gomes da Silva é a de cortar a equipa em 3%, uma decisão que, dada a dimensão da empresa, deverá abranger cerca de duas centenas de pessoas. O contexto “desafiante”, “em particular para o setor energético” é a justificação dada para a medida.

Lauak deve despedir 200 pessoas

A Lauak, uma empresa de componentes para a indústria aeronáutica, deverá avançar com o despedimento coletivo centenas de trabalhadores. O número final tem variado, com a administração a manter reuniões com os sindicatos e com representantes do Ministério do Trabalho nos últimos dias. O número mais recente, avançado pela RTP, aponta para que 200 pessoas estejam de saída. A empresa regista uma quebra de 70% nas suas encomendas e já fechou duas unidades em França.

Unbabel despede 35% dos trabalhadores

A Unbabel foi das primeiras startups a avançar com despedimentos por causa do Covid-19 em Portugal. Meses depois de ter fechado uma ronda de capital de 60 milhões de euros, a empresa de software para tradução anunciou em abril um plano de reestruturação para “garantir a continuidade e a sustentabilidade” do negócio. Em causa esteve um corte de 35% nos 250 trabalhadores, atirando para o desemprego mais de 80 pessoas. O líder da Unbabel, Vasco Pedro, assumiu no Facebook que, devido à pandemia, “as projeções de crescimento” foram “substancialmente reduzidas”.

Uber elimina 30% da equipa em Lisboa

A Uber tem em curso um plano para despedir 30% da equipa do Centro de Excelência de Lisboa, no qual são prestados serviços de apoio às operações em diversas línguas para mercados como Portugal, Espanha e França. Até aqui, o centro empregava perto de 500 pessoas, pelo que o corte deverá afetar cerca de 150 trabalhadores da empresa. A Uber, dirigida em Portugal por Manuel Pina, explicou que “esta decisão muito difícil” foi “necessária para ajudar a proteger a sustentabilidade” do negócio “a longo prazo”.

Super Bock despede 10% da força de trabalho

O grupo Super Bock anunciou este mês um plano de reajustamento no negócio que resultará na saída de 10% dos trabalhadores, o que equivale perto de 130 pessoas. O grupo liderado por Rui Lopes Ferreira justificou a decisão com a “significativa redução da atividade” provocada pelo Covid-19, assim como “o cenário de recessão previsto para o futuro próximo”. Segundo a empresa, que também detém marcas como Somersby e Pedras Salgadas, o corte incide sobre “diferentes áreas da organização” e já foi formalmente comunicado à Comissão de Trabalhadores.

Revolut rescinde com 10% do escritório

No ano passado, a Revolut instalou numa antiga fábrica de conservas de Matosinhos a segunda maior unidade que tem na Europa. As perspetivas eram de fazer crescer a equipa, mas a fintech britânica não contava com o impacto da pandemia no consumo. Chegados a junho, a equipa da Revolut está mais pequena. O banco digital dirigido por Ricardo Macieira desencadeou um processo de rescisões por “mútuo acordo” que já levou à saída de 11 trabalhadores permanentes, cerca de 10% da equipa. Somando os profissionais que foram para outras empresas desde o início do ano, o número de saídas aumenta para 16.

Corte na Ryanair também afeta Portugal

Inserida num dos setores mais castigados pela crise pandémica, a companhia aérea Ryanair anunciou um plano para eliminar perto de 3.000 postos de trabalho a nível global. Não existem números concretos por país, mas é quase certo que as operações da empresa em Portugal também vão ser afetadas. “Alguns deles provavelmente serão em Portugal”, admitiu à Lusa o presidente executivo da empresa, Eddie Wilson.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estas empresas estão a despedir por causa da crise. Já há mais 100 mil sem emprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião