Startup Unbabel avança com restruturação. Despede 35% dos trabalhadores

Startup vai despedir 35% dos 250 trabalhadores em resultado do impacto do coronavírus no negócio e "para garantir a continuidade e a sustentabilidade da empresa".

Escritórios da Unbabel em Lisboa.D.R.

A Unbabel vai avançar com um plano de restruturação, sabe o ECO. A startup, que fechou uma ronda de Série C no valor de 60 milhões de dólares — o maior da sua Série em startups portuguesas — em setembro do ano passado, vai despedir 35% dos 250 trabalhadores, confirmou o ECO junto da empresa.

“Anunciámos hoje internamente uma reestruturação da empresa. Esta medida vai afetar 35% dos nossos colaboradores. Enquanto empresa tecnológica que opera no mercado global, com clientes em indústrias variadas, algumas das quais afetadas pela situação económica resultante da pandemia do Covid-19, tivemos de tomar esta decisão, indesejável mas infelizmente necessária, para garantir a continuidade e a sustentabilidade da empresa”, detalha Vasco Pedro, CEO e cofundador da empresa.

Tivemos de tomar esta decisão, indesejável mas infelizmente necessária, para garantir a continuidade e a sustentabilidade da empresa.

Vasco Pedro

CEO e cofundador da Unbabel

A decisão será uma medida de resposta à “conjuntura atual” uma vez que, “com uma mudança tão drástica na economia global”, a empresa teve de se “agilizar com uma reestruturação interna que permitisse fazer face à conjuntura atual e futura.”

Face ao despedimento de 35% da força de trabalho, a Unbabel decidiu atribuir um pacote de indemnização “acima da média”, extensão do seguro de saúde a todos os colaboradores até ao final do ano, ajuda da equipa de recursos humanos para recolocar os colaboradores em novas oportunidades de trabalho, dentro e fora do país e apoio aos colaboradores expatriados em quaisquer questões de imigração e expatriação aos países de origem.

Distinguida no início de março pela revista Fast Company, que reúne anualmente referências uma lista das “empresas mais inovadoras do mundo”, a Unbabel foi destacada pela sua plataforma de tradução com inteligência artificial. A empresa fundada por portugueses traduz mais de um milhão de mensagens de apoio ao cliente por mês.

Fundada em 2013, a startup alia a inteligência artificial de última geração com pós-edição humana à tradução automática e está, por isso, a criar uma nova categoria de produto. Com sede em Lisboa e escritórios em São Francisco, Nova Iorque e Pittsburgh — locais onde trabalham os cerca de 250 trabalhadores –, a portuguesa está a expandir rapidamente a sua presença nos Estados Unidos, na Europa e na Ásia.

Esta terça-feira, o movimento tech4covid19, que junta centenas de empreendedores portugueses envolvidos em projetos que procuram combater os efeitos do vírus covid-19, pediu ao Governo um conjunto de medidas direcionadas no sentido de procurar proteger o ecossistema nacional de startups que, em 2018, representou 1,1% do PIB nacional.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup Unbabel avança com restruturação. Despede 35% dos trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião