App de “contact tracing” portuguesa já tem integração com os médicos

O INESC TEC já está a implementar a integração da app de "contact tracing" portuguesa que vai permitir que apenas médicos com certidão válida emitam códigos para validar pessoas doentes.

A primeira foto oficial da StayAway COVID.INESC TEC

O INESC TEC já fechou o último aspeto que faltava definir na aplicação de contact tracing à Covid-19. Trata-se da integração que vai permitir que os médicos se autentiquem para gerar um código que os doentes poderão introduzir na app para se marcarem como infetados, permitindo que seja enviado um alerta aos utilizadores que com ele se tenham cruzado nos últimos 14 dias.

O portal para a geração desses códigos anónimos já tinha sido criado. O que faltava era uma integração para que apenas os médicos com cédula profissional válida pudessem autenticar-se e gerar esses códigos para darem aos doentes. Este aspeto foi agora fechado e deverá ser implementado em dois ou três dias, disse ao ECO Rui Oliveira, administrador do INESC TEC, que sublinhou a “colaboração total” da parte da Ordem dos Médicos no projeto.

Este era o último passo no desenvolvimento de uma primeira versão da aplicação para detetar cadeias de transmissão de Covid-19 de forma anónima através dos smartphones. Este portal e estes códigos permitem, assim, que apenas pessoas em que um médico confirme que foram infetadas possam marcar-se como doentes no aplicativo, evitando que pessoas mal-intencionadas pudessem levar à emissão de alertas falsos, o que poderia gerar pânico.

Apesar de ser um passo ponderado pelo INESC TEC desde o início, era também uma das exigências do Governo. Na única vez em que falou publicamente do tema, o primeiro-ministro, António Costa, disse que “a única questão que temos para ponderar da parte do Governo, e que temos colocado ao INESC TEC, é que o aviso que é enviado de forma anónima para as pessoas que tenham estado em contacto ou na proximidade de alguém infetado seja, de alguma forma, validado por um médico, para evitar partidas”, disse o chefe do Governo a 29 de maio.

A próxima fase é obter a “luz verde” da Google e da Apple para que a ferramenta seja lançada ao público, sendo que estas gigantes da tecnologia já se encontram na posse de uma versão, a qual estão a analisar. A app, chamada StayAway COVID, será voluntária e anónima e, quem a instale, será alertado caso tenha estado em contacto com uma pessoa infetada. A equipa de desenvolvimento está ainda a trabalhar no aspeto da interoperabilidade da ferramenta com outras semelhantes na Europa, sendo que, no entanto, esta não é uma funcionalidade crucial ao funcionamento da aplicação em Portugal.

Saiba como funcionam as apps de contact tracing:

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

App de “contact tracing” portuguesa já tem integração com os médicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião