UGT pede medidas excecionais para o desemprego no Algarve

  • Lusa
  • 28 Junho 2020

Em maio de 2020 o Algarve foi a região que registou o maior aumento de desempregados inscritos, com um crescimento de 202,4%, em termos homólogos.

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) do Algarve pediu este domingo ao Governo que implemente com urgência medidas excecionais para evitar que o desemprego na região, que em maio cresceu mais de 200%, aumente ainda mais após o verão.

Em comunicado, o presidente daquela estrutura sindical defendeu como “prioritário equacionar medidas de apoio ao emprego” para que “daqui a dois ou três meses”, ao começar a época baixa, o desemprego não assuma dimensões “ainda mais dramáticas”, num contexto de pandemia de covid-19.

O ideal seria avançar com mais uma medida excecional para a região que fosse mais abrangente e cumulativa com aquela medida já em vigor”, referiu Daniel Santana, aludindo ao programa FormAlgarve, que apoia as entidades empregadoras que celebrem contratos de, no mínimo, 12 meses com trabalhadores seus cujos contratos terminem entre 01 de setembro e 31 de dezembro.

Segundo o dirigente sindical, o problema da sazonalidade na região agravou-se com a crise pandémica, devido à “economia muito dependente dos fluxos turísticos”, sendo necessário que haja “mais incentivos às empresas candidatas e com maior duração”.

Para Daniel Santana, o facto de o Algarve ser a região do país mais afetada pelo desemprego nos meses que antecedem o pico do Verão – normalmente os de maior empregabilidade – “faz antever que, após a época balnear, muitos mais postos de trabalho venham a encerrar se não forem, desde já, acauteladas pelo Governo medidas de apoio ao emprego pós-verão”.

Aquele responsável apontou ainda o prolongamento do tempo que impede o despedimento dos trabalhadores que estiveram em ‘lay-off’ até ao final de 2020 como outra das medidas para evitar que “os meses de setembro e outubro se revelem catastróficos para milhares” de trabalhadores.

Segundo dados do boletim mensal do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) divulgados na passada segunda-feira, em maio de 2020 o Algarve foi a região que registou o maior aumento de desempregados inscritos, com um crescimento de 202,4%, em termos homólogos.

O maior aumento do número de desempregados foi registado no setor dos serviços (44,7%), em especial no alojamento, restauração e similares, aumentando 89,3%, segundo o IEFP.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

UGT pede medidas excecionais para o desemprego no Algarve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião