Medicamento da Bial para o Parkinson aprovado no Japão

  • ECO
  • 29 Junho 2020

O Ongentys foi aprovado no Japão, depois de ter sido aprovado também na Europa, EUA e Coreia do Sul. Está disponível no Reino Unido, Alemanha, Espanha, Itália e Portugal.

O medicamento para a doença de Parkinson desenvolvido pela portuguesa Bial foi aprovado no Japão, considerado o terceiro maior mercado farmacêutico do mundo. Depois de ter sido aprovado nos Estados Unidos, este fármaco consegue ser o primeiro a ser aprovado em território japonês.

Foi em 2013 que a Bial assinou um acordo de licenciamento com a empresa nipónica ONO Pharmaceutical para desenvolver e comercializar Ongentys (opicapona), o medicamento para a doença de Parkinson, no Japão, diz a farmacêutica nacional, em comunicado. Agora, cerca de sete anos depois, este fármaco recebeu “luz verde” das autoridades japonesas.

Depois da aprovação na Europa e nos EUA, a autorização das autoridades japonesas vem reforçar o nosso compromisso contínuo de melhorar a qualidade de vida dos doentes em todo o mundo”, diz o CEO da Bial, António Portela, referindo que no Japão existem 163 mil pessoas com Parkinson” que vão poder beneficiar deste medicamento. Agora o objetivo é fazer chegar este fármaco aos japoneses “o mais brevemente possível”.

Recentemente, o Ongentys recebeu aprovação nos Estados Unidos, do regulador do mercado farmacêutico norte-americano Food and Drug Administration (FDA). O fármaco já está disponível no Reino Unido, Alemanha, Espanha, Itália e Portugal e a Bial espera que, durante este ano e o próximo, o medicamente chegue a outros mercados europeus, mas também Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul.

Até agora, a Bial é a única farmacêutica nacional com produtos de investigação própria, resultado de um investimento anual superior a 20% da sua faturação. Para além do medicamento para a Doença de Parkinson, a empresa já desenvolveu um medicamente para a epilepsia. Os resultados obtidos têm permitido a expansão internacional da farmacêutica que, na última década, conseguiu com que o mercado internacional representasse cerca de 75% do volume de negócios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Medicamento da Bial para o Parkinson aprovado no Japão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião