Situação em Lisboa deve-se a “más chefias e pouco exército”, diz Medina

  • Lusa
  • 30 Junho 2020

Presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera que o aumento do número de infetados na região deve-se a “más chefias” e à falta de profissionais no terreno.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, considera que o aumento do número de infetados por Covid-19 na região se deve a “más chefias” e à falta de profissionais no terreno, exigindo respostas rápidas.

Fernando Medina disse na segunda-feira no espaço de comentário na TVI24 que “com maus chefes e pouco exército não é possível ganhar esta guerra”.

“É uma nota direta a todos os responsáveis relativamente a esta matéria, que é preciso agir rápido. Ou há capacidade de conter isto rápido ou então têm de ser colocadas as pessoas certas nos sítios certos”, sublinhou.

De acordo com o autarca, ou as chefias conseguem em poucos dias em matéria de saúde pública na região de Lisboa pôr ordem na casa e dar sinais claros de que têm a situação sob controlo ou têm de ser reavaliadas.

“Têm de ser reavaliadas nos sítios em que não funcionam naturalmente. Há sítios em que funcionam muito bem, noutros não estão a funcionar. Isto é válido ao nível local e regional. O ministério [da Saúde] tem de prestar uma atenção central a isto”, frisou.

No entendimento de Fernando Medina, que é também presidente da Área Metropolitana de Lisboa, o problema pode ser resolvido em parte com capacidade de direção e organização e recursos.

“Isto é um alerta claro: chefias, qualidade das chefias. Ou dão provas de conseguir ou se não dão provas de conseguir agora é essencial que sejam mudadas agora, não é daqui a uma semana, 15 dias ou um mês. Daqui a um mês é tarde e vamos estar a correr atrás de um prejuízo”, disse.

Na opinião do presidente da Câmara de Lisboa, é também essencial aumentar o “exército de saúde pública” no terreno.

“Esta questão que já está endereçada em parte pela admissão de mais 100 novos operacionais na área da saúde pública, mas na minha opinião tem que aumentar mais 100, mais 200, mais 300. Vamos buscar ao exército onde for, vamos buscar a qualquer sítio. Este exército de operacionais de saúde pública tem de aparecer já nos próximos dias”, sublinhou.

Fernando Medina destacou também como essencial a ação de equipas mistas, que juntam saúde, Segurança Social, proteção civil e câmaras, os recursos para saber avaliar caso a caso se as pessoas têm ou não condições para estar confinadas e se não têm arranjar soluções.

No habitual espaço de comentário da TVI24, o autarca disse também que as falhas na região de Lisboa deveram-se a vários motivos, entre os quais o sentimento pela população de que o problema estava ultrapassado, uma falsa sensação de segurança e de vitória sobre o vírus e má preparação relativamente ao confinamento.

“Falhou também a ação no terreno naquilo que é o diagnóstico que é feito pelas autoridades de saúde (…) Quando se mandam fazer rastreios generalizados, mas depois os testes demoram muito tempo ou os inquéritos demoram mais tempo ainda e o problema das infeções já está noutro sítio que não aquele”, disse.

Por isso, Fernando Medina considera essencial encurtar os tempos dos resultados dos testes e inquéritos.

“É absolutamente essencial que os testes sejam efetuados de forma extremamente rápida. Entre o teste e o resultado ou a pessoa é protegida ou então o resultado tem de sair em muito pouco tempo. É essencial também que o tempo do inquérito seja concretizado no espaço de 12 horas máximo, que haja logo contacto com a pessoa que deu positivo e que haja uma determinação: saber quais foram as pessoas que tiveram em contacto”, disse.

O Governo decidiu na semana passada que Portugal vai estar, a partir de 01 julho, dividido em três níveis de alerta para fazer face à pandemia de Covid-19, passando a maior parte do país para situação de alerta, enquanto a Área Metropolitana de Lisboa para situação de contingência (nível intermédio) e 19 freguesias da AML mantêm o estado de calamidade.

Portugal contabiliza pelo menos 1.568 mortos associados ao Covid-19, em 41.912 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Situação em Lisboa deve-se a “más chefias e pouco exército”, diz Medina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião