Transferências para offshores e territórios com tributação especial caem para 6 mil milhões de euros

  • Lusa
  • 30 Junho 2020

Segundo dados da Autoridade Tributária e Aduaneira 1.291 entidades transferiram dinheiro para estes paraísos fiscais no ano passado, sendo a grande maioria, mais de 6.500, empresas.

As transferências em Portugal para offshores e territórios com tributação especial caíram, em 2019, para perto de seis mil milhões de euros, face aos 8,9 mil milhões registados em 2018, segundo dados publicados pela Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).

Assim, no ano passado houve um total de 11.291 entidades que transferiram dinheiro para estes paraísos fiscais, sendo a grande maioria, mais de 6.500, empresas (pessoas coletivas) e o restante pessoas em nome individual, de acordo com os dados publicados pela AT, no portal das Finanças.

A informação divulgada revela ainda que houve mais de 105 mil operações durante o ano, um valor inferior às mais de 113 mil registadas em 2018.

A Suíça é o território que mais transferências recebe com origem em Portugal, seguida de Hong-Kong e dos Emirados Árabes Unidos.

O principal motivo é ‘Cash Management Transfer”, seguido de pagamentos de cartão de crédito e pagamentos do Governo, segundo a mesma informação.

A publicação destes dados decorre de uma portaria, de 2017, que obriga a Autoridade Tributária e Aduaneira a tornar estas transferências públicas.

A informação “deverá incluir o número e valor das transferências e envio de fundos efetuados para os destinos previstos”, de acordo com o diploma.

O portal das Finanças deve detalhar “a tipologia do sujeito passivo ordenante, autonomizando a informação relativa a contribuintes especiais – não residentes com retenção na fonte a título definitivo (NIFs iniciados por 45 ou 71)”, lê-se na portaria.

Estes contribuintes foram responsáveis, no ano passado, por quase 2,1 mil milhões de euros de transferências para ‘offshores’ e outros territórios do tipo, um valor que representa perto de metade dos 4,2 mil milhões de euros registados em 2018, de acordo com a AT.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transferências para offshores e territórios com tributação especial caem para 6 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião