Há menos 104 mil pessoas empregadas em maio. Inativos continuam a esconder o desemprego

Os resultados provisórios para o mês de maio apontam para uma taxa de desemprego de 5,5%, o que compara com 6,3% em abril.

O número de pessoas empregadas em Portugal voltou a cair em maio — 104 mil pessoas deixaram de ter emprego, indicam os dados divulgados, esta quarta-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). No entanto, a taxa de desemprego desceu para 5,5% em maio, um valor que compara com a taxa de 6,3% registada em abril deste ano, ou seja, verificou-se uma descida de 0,8 pontos percentuais (p.p.), na variação em cadeia. Esta descida é acompanhada por um aumento da percentagem de inativos que subiu dois pontos percentuais, ou seja, pessoas que já não são elegíveis para receber subsídio de desemprego.

Entre fevereiro e maio, “aumentou significativamente o número de inativos que se integram em dois grupos que estão na fronteira com a população ativa: inativos que, embora pretendam trabalhar, não fizeram diligências ativas para procurar trabalho e inativos que, embora pretendam trabalhar e tenham procurado ativamente trabalho, não estavam disponíveis para iniciar trabalho na semana de referência ou nas duas semanas seguintes”, explica o INE.

Também nesse período, correspondente à pandemia, “assistiu-se a uma forte redução do emprego de 4,0%”. Desta forma, a taxa de subutilização de trabalho, que é um indicador que “inclui a população desempregada, o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inativos à procura de emprego mas não disponíveis para trabalhar e os inativos disponíveis mas que não procuram emprego”, segundo a definição do INE, situou-se já em 14,2% em maio, mais 0,8 p.p. que no mês anterior.

Já a estimativa provisória da população empregada é de 4.646,6 mil pessoas, no quinto mês do ano, o que representa um decréscimo de 2,2% (104,9 mil) em relação ao mês anterior. Por outro lado, a população desempregada é de 267,9 mil pessoas, registando uma diminuição de 50,9 mil face a abril, número que é, no entanto, influenciado pela atual situação.

A pandemia afeta assim as estatísticas, por exemplo, fazendo com que as pessoas anteriormente classificadas como desempregadas e pessoas que efetivamente perderam o seu emprego devido à pandemia poderem agora ser classificadas como inativas, devido às restrições à mobilidade, à redução ou mesmo interrupção dos canais normais de informação sobre ofertas de trabalho em consequência do encerramento parcial ou mesmo total de uma proporção muito significativa de empresas.

(Notícia atualizada às 12h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há menos 104 mil pessoas empregadas em maio. Inativos continuam a esconder o desemprego

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião