Após sucesso em emissão juros a dez anos da dívida portuguesa em mínimos de 11 março

Alívio das yields nacionais segue-se à bem sucedida emissão de 4 mil milhões de euros em dívida a 15 anos na quarta-feira, que beneficiou de uma procura de mais de dez vezes e um juro abaixo de 1%.

Os juros da dívida portuguesa recuam esta quinta-feira, com a taxa a dez anos a cair para mínimos de 11 de março, ou seja, uma semana antes da declaração do estado de emergência. O alívio das yields nacionais acontece após a conclusão com sucesso de uma emissão sindicada de dívida a 15 anos do tesouro português.

A taxa de juro portuguesa a dez anos negoceia nos 0,436% no mercado secundário, cinco pontos base abaixo da sessão anterior, sendo que já chegou até ao mínimo de 0,427%. Ou seja, o valor mais baixo desde 11 de março, ainda antes da declaração do estado de emergência em Portugal a 18 de março.

Esse alívio da taxa de juro de referência da dívida nacional acontece depois de na quarta-feira o IGCP ter concluído com sucesso uma emissão de dívida a dez anos. Nesta operação em que o Tesouro contou com o apoio de um sindicato bancário, foram emitidos 4 mil milhões de euros, tendo sido assegurado um juro inferior a 1% (0,9%), sendo que a procura foi de mas de dez vezes o valor assegurado.

Juros da dívida portuguesa a dez anos

Fonte: Reuters

Mas a melhoria do sentimento dos investidores também está a refletir-se na queda das yields das restantes dívidas soberanas do sul da Europa, numa altura em que a atividade económica recupera no Velho Continente à medida que o desconfinamento avança.

Nesse cenário, a taxa de juro da dívida italiana a dez anos cai também cinco pontos base, para os 1,295%, no mercado secundário. Também a yield espanhola na mesma maturidade desce cinco pontos base, mas para os 0,46%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Após sucesso em emissão juros a dez anos da dívida portuguesa em mínimos de 11 março

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião