Tesla dispara 9% e leva Nasdaq a renovar máximos

Numa sessão de ganhos generalizados, a Tesla destaca-se. A empresa liderada por Elon Musk dispara 9% após ter divulgado dados das vendas de automóveis no segundo trimestre do ano.

Ao contrário de todas as expectativas, o mercado de trabalho nos EUA registou melhorias em junho, dando os primeiros sinais de recuperação numa altura em que o país ainda regista recordes nas taxas diárias de aumento doentes com coronavírus. Os números do emprego conhecidos esta quinta-feira dão força a Wall Street.

Foram criados 4,8 milhões de lugares de trabalho em junho, o que representa a maior subida mensal desde que a registo, ou seja, pelo menos desde 1939. As primeiras estimativas indicam que a taxa de desemprego terá caído para 11,1%, face à anterior taxa de 13,3%.

O que estamos a ver no relatório de empregos é que o mercado de trabalho está a recuperar, ou pelo menos que tem estado a recuperar em maio e junho“, diz Patrick Leary, estratega chefe de mercado da Incapital, à Reuters. Alerta, no entanto, que “estes números não têm em consideração ainda uma possível segunda vaga do vírus, que é o que tem aumentado o nervosismo nos mercados”.

Apesar da volatilidade e de vários Estados estarem a recuar ou pausar os planos de reabertura da economia devido à escalada do número de casos de Covid-19, o otimismo quanto ao desconfinamento tem-se mantido em Wall Street.

Na sessão desta quinta-feira, o Dow Jones sobe 1,6% para 26.138,92 pontos, enquanto o S&P 500 avança 1,2% para 3.152,66 pontos. O tecnológico Nasdaq — que foi, dos três, o índice com maiores no segundo trimestre — valoriza 1,3% e toca um novo máximo histórico de 10.221,85 pontos.

A impulsionar o Nasdaq está a Tesla. A empresa liderada por Elon Musk dispara 9% para 1.223,41 dólares por ação, um dia depois de se ter tornado a fabricante automóvel mais valiosa em bolsa. As ações estão a reagir em forte alta à divulgação dos dados provisórios de vendas no segundo trimestre do ano: a Tesla entregou 90 mil veículos nesse período e superou as estimativas dos analistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tesla dispara 9% e leva Nasdaq a renovar máximos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião