DefinedCrowd lança base de dados com curadoria para projetos de Inteligência Artificial

Chama-se DefinedData e é um conjunto de dados de Inteligência Artificial pré-recolhidos que juntam num catálogo mais de 300 mil colaboradores. É a novidade da startup.

A DefinedCrowd lançou esta semana a DefinedData, uma base de dados pré-recolhidos, anotados e validados que podem ser usados em projetos de Inteligência Artificial (IA). O catálogo está disponível online, conta com o contributo de mais de 300 mil colaboradores em mais de 50 países e surge pouco depois de a startup fundada pela portuguesa Daniela Braga ter anunciado a sua mais recente ronda de financiamento Série B, no valor de 46,2 milhões de euros.

“As equipas de machine learning a trabalhar em modelos de IA sempre enfrentaram um problema de pressão particular, a necessidade de um acesso contínuo a dados de muito boa qualidade. Quando as empresas focadas em tecnologia querem lançar as suas iniciativas que envolvem inteligência artificial, simplesmente não têm tempo para recolher e validar esses dados que são requeridos”, explica Daniela Braga, fundadora e CEO da DefinedCrowd, citada em comunicado.

A base de dados permite aos clientes da startup acelerarem as suas iniciativas de inteligência artificial no mercado, já que consegue obter os dados validados através de um catálogo online, disponível em várias línguas, domínios e tipos de armazenamento.

Os clientes podem ainda optar por uma compra única ou uma subscrição anual que lhes dá acesso a todas as novas bases de dados. Em maio de 2021, o catálogo deverá incluir 25 mil horas de discurso e dados de linguagem natural, adianta a empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

DefinedCrowd lança base de dados com curadoria para projetos de Inteligência Artificial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião