Banco Montepio afasta instabilidade apesar da incerteza da pandemia

  • ECO
  • 13 Julho 2020

Comissão executiva liderada por Pedro Leitão enviou uma carta aos trabalhadores depois de questionada sobre eventual reestruturação. Banco afasta instabilidade apesar do impacto da pandemia.

A comissão executiva do Banco Montepio enviou esta segunda-feira uma carta aos trabalhadores onde explica que a pandemia gerou uma onda de incerteza na economia, mas afasta qualquer instabilidade no seio do banco, isto depois de ter sido questionada sobre um eventual plano de reestruturação.

Sem concretizar, a instituição liderada por Pedro Leitão diz ter sido contactada “por vários órgãos de comunicação social que avançam com informações erradas sobre aspetos da nossa gestão e organização internas e cenários díspares sobre o ajustamento da nossa rede de retalho”, segundo o comunicado enviado aos colaboradores e a que o ECO teve acesso. “Queremos partilhar com todos a nossa preocupação e o nosso firme repúdio face a este tipo de atuação, que visa claramente pôr em causa o bom nome da nossa instituição e criar instabilidade interna“, acrescenta o a gestão do Banco Montepio.

O ECO questionou o banco na passada sexta-feira sobre um cenário de reestruturação envolvendo não só a redução de balcões para lá dos 31 fechos já anunciados, mas também a saída de pessoal.

Rejeitando qualquer informação para lá daquela que já foi partilhada com os trabalhadores, o comissão executiva do banco não deixa de sublinhar que a pandemia gerou a “maior crise dos últimos 100 anos” e que os seus efeitos “não são ainda passíveis de aferir na sua plenitude”. “Gerou-se uma onda de incerteza” na economia que “coloca a todas as organizações enormes desafios e a necessidade de uma permanente adequação das suas estratégias e dos seus modelos de gestão”, refere a gestão, para depois dizer que o Banco Montepio não é exceção.

“Importa, neste momento, concentrar esforços, sermos resilientes e determinados e não nos desviarmos do nosso objetivo comum: a salvaguarda da nossa instituição”, remata o comunicado enviado aos trabalhadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco Montepio afasta instabilidade apesar da incerteza da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião