França limita companhias aéreas chinesas a um voo por semana

  • Lusa
  • 13 Julho 2020

Em nome da reciprocidade em relação à Air France, França limitou o número de voos semanais operados pelas companhias aéreas chinesas a um por semana.

França decidiu limitar o número de voos semanais operados pelas companhias aéreas chinesas a um por semana, em nome da reciprocidade em relação à Air France, anunciou a embaixada francesa em Pequim.

Primeiro país a ser afetado pela Covid-19, a China reduziu drasticamente as ligações com o resto do mundo no final de março.

Contudo, desde 8 de junho, Pequim tem permitido que várias companhias aéreas estrangeiras, incluindo a Air France, operem um voo por semana de e para o país.

Por outro lado, as três principais companhias aéreas chinesas (Air China, China Oriental, China Meridional) podiam até agora operar, cada uma, um voo semanal China-França (três no total).

As autoridades francesas procuram garantir à Air France os mesmos direitos, o que seria equivalente a três rotas semanais para a China.

“Na ausência de progressos (…), temos vindo a aplicar uma estrita reciprocidade desde sexta-feira passada”, informou a embaixada de França na capital chinesa.

Na prática, a decisão implica a eliminação de dois voos por semana para as companhias chinesas.

Os voos do Sul e do Leste da China previstos esta semana para França foram cancelados, de acordo com os horários publicados online. Um voo da Air China Beijing-Paris continuava anunciado para segunda-feira.

No início de junho, a China anunciou uma retoma muito limitada dos voos internacionais, depois de Washington ter ameaçado suspender os voos das companhias aéreas chinesas para os Estados Unidos.

Na prática, as companhias aéreas estrangeiras devem primeiro obter “luz verde” da cidade de chegada, o que complica o processo.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 566 mil mortos e infetou mais de 12,79 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

França limita companhias aéreas chinesas a um voo por semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião