Singapura em recessão pela primeira vez numa década. Contrai 41,2%

  • Lusa
  • 14 Julho 2020

Economia de Singapura, altamente dependente do comércio internacional, tem sido duramente atingida pelas medidas rigorosas impostas para combater a pandemia.

Singapura entrou em recessão pela primeira vez em mais de uma década, com a atividade económica a cair 41,2% no segundo trimestre, em relação ao trimestre anterior, de acordo com dados preliminares divulgados esta terça-feira.

Em comparação com o ano anterior, a economia recuou 12,6% entre abril e junho, indicou o Ministério do Comércio.

A economia de Singapura, altamente dependente do comércio internacional, tem sido duramente atingida pelas medidas rigorosas impostas para combater a pandemia da Covid-19.

Os dados divulgados apontam para um segundo trimestre de contração económica, o que significa que Singapura entrou em recessão pela primeira vez em mais de uma década.

A queda maciça do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre deveu-se a “medidas que foram implementadas de 07 de abril a 01 de junho para atrasar a progressão da Covid-19, incluindo a suspensão dos serviços não essenciais e o encerramento da maioria dos locais de trabalho”, disse o Ministério do Comércio, em comunicado.

O Ministério também atribuiu a contração das atividades à “fraca procura externa no contexto de uma recessão económica global”.

Singapura é considerada um barómetro da saúde da economia global. O pequeno Estado é muito sensível aos choques externos, pelo que os números agora divulgados são considerados um sinal preocupante para a economia global.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 569 mil mortos e infetou mais de 13 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Singapura em recessão pela primeira vez numa década. Contrai 41,2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião