“Países mais endividados suportarão peso do impacto social”, alerta Poul Thomsen, cara da troika em Portugal

Poul Thomsen, a primeira cara da troika em Portugal, avisa os países mais endividados que serão as maiores vítimas desta crise e elogia o fundo de recuperação europeu como a resposta necessária na UE.

Poul Thomsen, que atualmente lidera o Departamento Europeu do Fundo Monetário Internacional (FMI), antecipa que os países europeus com maior endividamento irão “suportar o peso do impacto social” desta crise pandémica. Num texto publicado no blog do FMI, o economista que foi a cara da troika no início do programa de ajustamento português admite a divergência da recuperação e, por isso, apoia o fundo de recuperação europeu para apoiar os países mais afetados pela pandemia e os mais pobres.

“Os países da Europa com dívida elevada suportarão o peso do impacto social”, escreve, criticando os países por décadas de crescimento da dívida pública em tempos de crise sem sucessivas descidas quando a economia cresce. Para Poul Thomsen, que vai reformar-se no final deste mês, este é o reflexo de um “desempenho fraco [desses países] na resolução das deficiências estruturais [das suas economias], seja por rigidez institucional seja por vontade política insuficiente”.

O resultado dessa trajetória tem sido “desemprego elevado e emigração, especialmente entre os mais jovens”, aponta, antecipando que isso volte a repetir-se nesta crise com os Governos a privilegiarem a proteção dos mais idosos, até por estarem perante uma questão de saúde, deixando os jovens desprotegidos a nível económico. À semelhança desta dicotomia entre jovens e idosos, também os países europeus mais ou menos endividados terão recuperações diferentes.

Mas não é só a dívida que poderá complicar a recuperação. Poul Thomsen refere a rigidez do mercado laboral, a dependência nacional de indústrias muito integradas nas cadeias de valor internacionais, a falta de folga orçamental, entre outros fatores. “As condições iniciais profundamente divergentes deverão resultar provavelmente numa recuperação altamente desigual na Europa“, vaticina.

É por isso que o economista do FMI apoia a proposta da Comissão Europeia, “Next Generation EU”, também apelidada de fundo de recuperação europeu, que vai ser discutida esta sexta-feira e sábado num Conselho Europeu, órgão que reúne os chefes de Estado da União Europeia, extraordinário. “Dadas as condições nacionais divergentes, há fortes razões para apoiar um estímulo orçamental conjunto da UE“, considera, argumentando que o resultado final será o melhor para o mercado único como um todo.

Para Thomsen os fundos devem focar-se nos países mais afetados pela crise pandémica ou nos que têm menos folga orçamental, são mais pobres e onde o impacto das alterações climáticas é mais forte. Contudo, deixa um aviso: “É vital que isto [o fundo de recuperação] sirva como um catalisador e não como um substituto das reformas estruturais e das políticas orçamentais prudentes”.

“As reformas difíceis devem ser trabalhadas com uma determinação renovada”, exorta, assinalando que os objetivos da política dos Governos europeus devem ser, em primeiro lugar, salvar vidas no momento atual, mas também preparar a Europa para que esta possa emergir como uma economia mais verde “no longo prazo”, “uma onde gerações futuras possam prosperar de forma equitativa”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Países mais endividados suportarão peso do impacto social”, alerta Poul Thomsen, cara da troika em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião