Goldman Sachs e vacina contra Covid-19 impulsionam Wall Street

As bolsas norte-americanas prolongaram os ganhos, com sinais promissores no desenvolvimento da vacina contra o Covid-19, bem como os resultados do Goldman Sachs a animar os investidores.

As bolsas norte-americanas fecharam em alta nesta sessão, com sinais positivos no desenvolvimento da vacina contra o Covid-19, bem como os resultados do Goldman Sachs a animar os investidores. O “Livro Bege” da Reserva Federal norte-americana contribuiu também para o sentimento positivo em Wall Steet.

A Fed sinalizou que as empresas americanas registaram um aumento na atividade no início de julho, quando os estados diminuíram as restrições para conter a nova pandemia de coronavírus. “A atividade económica aumentou em quase todos os distritos, mas permaneceu bem abaixo de onde estava antes da pandemia”, lê-se no relatório.

O quadro misto ilustrado no relatório mais recente do banco central dos EUA espelha dados económicos desde a taxa de desemprego até a atividade industrial, que melhoraram desde que as medidas de confinamento foram reduzidas em muitas partes do país. Ainda assim, há um alto nível de incerteza sobre o quanto a pandemia afetará a economia.

O industrial Dow Jones subiu 0,86%, para os 26.871,06 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 ganhou 0,91%, para os 3.226,62 pontos, para máximos de inícios de junho. Já o tecnológico Nasdaq valorizou 0,59%, para os 10.550,49 pontos.

O Goldman Sachs subiu 1,36% para os 216,90 dólares, depois de ter apresentado lucros trimestrais bastante acima do que era esperado pelos analistas. Na banca, a Morgan Stanley e o Bank of America também registaram valorizações, de 1,66% e 1,93%, respetivamente, no dia antes de divulgarem resultados.

Entre as tecnológicas, a volatilidade tem sido a palavra de ordem, e algumas das gigantes do setor travaram ganhos maiores do Nasdaq. É o caso da Amazon, que caiu 2,44% para os 3.008,87 dólares, da Netflix, que recuou 0,31% e da Microsoft, que perdeu 0,15%, depois de recentemente terem atingido máximos históricos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Goldman Sachs e vacina contra Covid-19 impulsionam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião